[20 Anos de Mega Drive] 12 séries de Mega Drive que você deve conhecer

Fiquei dois dias pensando em que jogos eu poderia colocar aqui, visto que a primeira parte é dedicada aos hardwares. Primeiro achei melhor falar em séries e não em games exclusivos e para chegar a essa lista, coloquei alguns títulos mais expressivos do Mega Drive. Não é uma lista dos melhores jogos para o console e sim aquelas séries que se você não jogou, deve jogar um dia. E antes que alguém pergunte, faltaram muitos jogos na lista.

FIFA Soccer

FIFA International Soccer (1993), a versão para Sega CD (1994), FIFA Soccer’95 (1994), FIFA Soccer’96 (1995), a versão para 32X (1995), FIFA Soccer’97: Gold Edition (1996), FIFA Soccer’98: Road to World Cup (1997) e FIFA’08 (2007)
A série FIFA surgiu no Mega Drive e depois passou a ter em outros consoles. Trazia uma visão diagonal vista antes só na série Goal! para NES e também tinha excelente jogabilidade. A versão 95 é esclusiva para Mega Drive e, além de ter seleções, passa a ter clubes e a partir do 96 o jogo vai sofrendo queda na jogabilidade, além de nomes reais dos jogadores. No 97 há um modo interessante de futebol indoor em quadra fechada. Uma exclusividade dessas versões é o modo de edição, que permite criar times e torneios. O 2008 é uma versão adaptada do jogo para celular e vem na versão atual do Mega Drive. Os periféricos também ganharam suas versões: O Sega CD ganhou a primeira, uma boa versão, mas impossível de marcar gols e a 96 saiu para 32X, sendo totalmente em 3D, mas uma fraca versão em relação aos consoles de 32 bits que ganharam a mesma versão.


Golden Axe

Golden Axe (1989), Golden Axe II (1991) e Golden Axe III (1993)
Golden Axe adapta o gênero beat’em up para os mundos medievais com três personagens: Ax Battler, o bárbaro padrão Conan, Tyris Flare, a amazona e Gillius Thunderhead, o anão. O primeiro é um clássico e ganhou versão até para o desconhecido Bandai WonderSwan. A continuação é boa, mas não tão bom quanto o primeiro, o terceiro traz mais opções além dos personagens dos dois primeiros jogos, mas é mais fraco que os anteriores. Outro grande destaque é que você não precisa jogar o modo normal, de beat’em up, se quiser, pode apenas enfrentar os inimigos no modo Battle.

Mortal Kombat

Mortal Kombat (1993), a versão para Sega CD (1994), Mortal Kombat II (1994), o hack Mortal Kombat II: The New Version (2007), a versão para 32X (1994), Mortal Kombat 3 (1995), Ultimate Mortal Kombat 3 (1996), o pirata MK5 – Mortal Combat – Sub-Zero (posterior a 1997) e o hack Ultimate Mortal Kombat Trilogy (2007)
Este foi com certeza um dos jogos mais polêmicos da década de 90 e quando foi portado para consoles teve mais polêmica, enquanto o Mega ganhou uma versão com censura, mas que com um código, a eliminava. A versão deste para Sega CD trazia um comercial da versão para SNES e loadings intermináveis. Depois, o dois foi uma boa versão que foi melhorada ainda no periférico 32X, o 3 teve a jogabilidade bem reduzida, mas foi corrigida na ótima Ultimate. E, pra variar, não fugiu dos piratas, com uma “adaptação” russa para o Mortal Kombat Mythologies – Sub-Zero do PSX e do N64. Os russos atacaram de novo no século no qual um hacker chamado Kabal_MK lançou duas atualizações para os antigos jogos do Mega Drive: O New Version para o MKII e um Ulimate Mortal Kombat Trilogy que trazia todos os personagens da série.


Phantasy Star

Phantasy Star II (1989), Phantasy Star III: Generations of Doom (1990-91) e Phantasy Star IV: The End of the Millennium (1993/95)
A série Phantasy Star começou no Master System e de lá pra cá até versão online ganhou. A versão II traz como novidade a possibilidade de escolher com quem casar e prosseguir com seu filho, que foi mantido nas outras versões dos jogos. O III foi tido como uma versão fraca, enquanto a IV é fantástica, tanto que deveria ser lançada inicialmente para Sega CD. Infelizmente, foi a únicados quatro a não ganhar versão em português.

Shinobi

Revenge of Shinobi (no Japão, The Super Shinobi) (1989), Shadow Dancer (1991) e Shinobi 3: Return of the Ninja Master (no Japão, The Super Shinobi 2) (1993)
A série Shinobi começou no arcade e trazia muita ação, visto que os ninjas sempre foram sinônimo de agilidade e sempre estiveram no imaginário ocidental. O primeiro para Mega Drive trazia muitas surpesas nos chefes: “Batman”, “Homem Aranha”, “Godzilla” e “Hulk”, nas versões posteriores eles foram substituídos por inimigos genéricos, a exceção do Homem Aranha, que ganhou licença da Marvel para continuar no jogo. A música, tal qual de Streets of Rage é excelente, criada também pelo mito Yuzo Koshiro. Shadow Dancer é uma contnuação somente reconhecida pelos americanos, os japoneses não a consideram. Ela traz como destaque shurikins que nunca acabam e um cachorro que pode atacar os inimigos, além de você morrer com um só golpe. No último jogo da série, mais fácil e bem divertido, o ninja ganha uma prancha e um cavalo, além de ter de novo que enfrentar o chefe Godzilla, dessa vez em versão Mecha.


Shining in the…

Shining in the Darkness (1991), Shining Force (1992), Shining Force II: Ancient Sealing (1993) e Shining Force CD (1994-95)
A série Shining surgiu como um jogo de exploração de masmorras no in the Darkness que ganhou versão em português pela TecToy e depois passou a ser RPG com jogo de estratégia na série Force. A versão CD abrange dois livros que são na verdade, as duas versões para Game Gear: Gaiden e Gaiden II: Sword of Hajya.


Show do Milhão

Show do Milhão (2001) e Show do Milhão Volume 2 (2002), igualzinhos, mas com perguntas novas
Em 2001, a TecToy converteu o grande sucesso dela e do SBT de PC para Mega Drive. O jogo veio de uma forma bem interessante, com narração do próprio Sílvio Santos. O jogo existe em outras versões para consoles com o nome “Who wants to be a Millionaire?”, o nome originial do game show.

Sonic the Hedgehog

Sonic the Hedgehog (1991), Sonic Eraser (1991), Sonic 2 (1992), Sonic Spinball (1993), Dr. Robotnik’s Mean Bean Machine (1993), Sonic 3 (1994), Sonic Crackers (1994), Sonic & Knuckles (1994), Sonic 3D Blast (na Europa, Austrália e Nova Zelândia, Sonic 3D: Flickies’ Island)(1996), Sonic CD (Sega CD) (1993) e Knuckles Chaotix (32X) (1995)
Sonic é e também foi sem dúvida o maior mascote da Sega. Desde o primeiro jogo sempre teve muita ação, loopings e velocidade. O segundo já trazia mais novidades: Modo para dois jogadores e um modo Super, que Yuji Naka, criador do Sonic era fã número 1 do Akira Toriyama e por isso, resolveu colocar. O 3 foi um jogo um pouco curto, mas que foi ampliado com Sonic & Knuckles, também um jogo curto, mas que com a tecnolocia Lock-on permitia a colocação do Sonic 2 ou 3 em cima para ter um jogo novo. Sonic 3D Blast foi uma versão do Sonic em 3D no qual se resgata passarinhos que já haviam aparecido no game Flicky. Sonic Eraser era um puzzle vendido online pela internet da Sega, o Meganet, outro puzzle lançado foi o Doutor Robotnik, na verdade, herdado de outro jogo chamado Puyo Puyo que teve muitas verões. Sonic CD permitia que o jogador avançasse para o passado e de lá, para o mau ou o bom futuro e Knuckles Chaotix e Sonic Crackers conversam entre si, já que o segundo (que nunca foi lançado) possui o mesmo esquema de estica e puxa do Chaotix.

Street Fighter II

Street Fighter II’ Special Champion Edition (Plus na japonesa) (1993) e Super Street Fighter II: The New Challengers (1994)
O maior jogo de luta de toda a história demorou dois anos pra chegar no Mega Drive e quando chegou veio em duas versões muito boas, o SCE é praticamente a mesma versão do Turbo Hyper Fighting para Super Nintendo, mas com todas as dicas habilitadas. O Super Street Fighter trazia quatro novos personagens: Cammy, Dee Jay, Fei Long e T. Hawk, pena que com vozes ruins.

Streets of Rage

Streets of Rage (no Japão, Bare Knuckle) (1991), Streets of Rage II (1992/3) e Streets of Rage III (1994)
Aproveitando-se de duas séries de sucesso: Double Dragon e Final Fight, a Sega aproveitou para lançar seu beat’em up. No primeiro jogo apertando o botão A aparecia um automóvel que fazia a limpa na cidade, no segundo ele passa a ter um especial e no terceiro há grande diferença entre as versões americana e japonesa devido a presença de um personagem que lembra o policial do Village People no jogo.

Super Monaco GP

Super Monaco GP (1990) e Ayrton Senna: Super Monaco GP 2 (1992)
A Sega tinha seu game de corrida há um bom tempo, chamado Monaco GP, um de corrida com visão por cima. Ao chegar na década de 90 houve o lançamento do Super para arcade, que mais tarde ganharia sua versão para Mega Drive. Após os três títulos de Ayrton Senna (1988, 1990 e 1991) e seu sucesso no Japão, a Sega lança a continuação, fazendo uso do nome dele, aproveitando o título que ganhou, “Rei de Mônaco”, que contém ainda dois circuitos desenhados por ele, além do circuito da família, em Tatuí (interior de SP).

ToeJam & Earl

ToeJam & Earl (1991) e ToeJam & Earl: Panic in Funkotron (1993)
No primeiro jogo, os aliens têm que capturar os pedaços da nave que perderam ao sofrer um acidente na órbita da terra. O jogo em si é meio lento, mas bem divertido com inimigos bizarros e sem combate praticamente. A única arma são os tomates, estes aliás, fazem uma participação no cartucho especial Menacer 6-Game Cartidge no minigame Ready, Aim, Tomatoes! e também junto com o Sonic no cartucho de artes Art Alive!.

Créditos:
BlogdoHammer, Darth Adder’s Castle, GameFAQs, Genesis Collective, HG101, MobyGames, Phantasy Star Cave,  RPG Classics, SonicCult, Streets of Rage Online, Tec Toy,  Wikipédia.

  1. Paulo Jr.
    4, janeiro, 2009 em 19:33 | #1

    Fantástico!

    Demais!

  2. Marcos Milton
    24, fevereiro, 2009 em 19:02 | #2

    Sonic, Shinobi, Streets of Rage, Shining Force… Foi bom enquanto durou?
    Foi, e muito!

    Tanto é q ainda ainda fazem a minha cabeça…

  3. arda
    24, abril, 2010 em 19:32 | #3

    parabéns cara você falou dos 12 melhores jogos da
    história!

  4. R.B.
    24, julho, 2014 em 14:30 | #4

    Tem o demo de Shining Force 2 Tribute !

  1. Nenhum trackback ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
%d blogueiros gostam disto: