Página Inicial > game music > 5 exemplos de Game Music cafona e fora de contexto

5 exemplos de Game Music cafona e fora de contexto

Há muito tempo atrás, quando a Game Music surgia e presenciava seu momento de ouro, havia muito espaço para experimentação. Afinal de contas, o “gênero” era novo, os artistas eram jovens e não havia padrão; tudo era determinado pelo tipo de jogo e como o músico o interpretaria. Naquele momento, também, vale ressaltar que havia muita influência da música popular vigente, ou seja, ouvindo hoje em dia, muitas das composições daquela época podem soar um pouco bregas ou datadas, justamente porque refletia o Pop e o Rock daquele momento. Mas ainda assim elas são de certa forma memoráveis, ou se associam perfeitamente com o game.

No entanto, existem certos equívocos, ou seja, quando a faixa soa bem cafona e não tem quase nada a ver com jogo. E a ideia desse post é justamente a de captar esses momentos em que os músicos não foram muito felizes em suas escolhas. Prepare os seus ouvidos para a breguice pura!

5 – BGM A, de G-Loc (Arcade), de 1989

A maior parte dos jogadores conhece mais a conversão de Mega, terceirizada pela Probe Entertainment com trilha sonora de Matt Furniss, que soava bem… apropriada. A total falta de noção ocorreu mesmo na versão original  de arcade, lançada pela própria Sega em 1989 como um sucessor espiritual de After Burner, com visuais impressionantes jamais vistos anteriormente.

No entanto, parece que não houve intenção de reproduzir a excelente qualidade sonora de seu predecessor. Senhoras e senhores, eis a pior música já ouvida em um jogo de combate aéreo.

Enquanto que o rápido tempo do compasso musical nos faz imaginar uma possível versão Heavy Metal da música, a instrumentação faz parecer que os acordes são reproduzidos por um trio de patos. E essas batidas que parecem mais alguém chicoteando um porco? Sem falar na ausência total de uma melodia – aliás, não houve nem trabalho de dar um nome a essa porcaria!

Pelo bem da humanidade, essa música só toca apenas no início da primeira missão. Mas é suficiente para julgar a faixa como totalmente inapropriada. Ainda mais, como dito antes, depois das músicas espetaculares de After Burner. Aliás, como ninguém quer assumir filho feio, a informação sobre o verdadeiro compositor desse troço é incerta. No álbum Sega GSM IV – Hyper Drive, a trilha sonora do jogo está creditada ao Hiro (o que é bem improvável, a não ser que estivesse bêbado) e a um tal de Moonwalker… Possivelmente o estagiário. No mesmo lançamento, aliás, há uma versão arrange da música, arranjada pela SST Band em parceria com Issei Noro, da Casiopea – que conseguiu ficar muito bem desenvolvida, considerando a limitação da composição original. Aliás, esse arranjo é uma das minhas músicas favoritas da banda… Que coisa, não?

 4 -Sylvalion (Arcade), de 1988

Sylvalion por si só é um jogo especialmente esquisito, cuja premissa é a de controlar um dragão que cospe fogo por um labirinto cheio de inimigos. Só isso já é suficiente para descrever a loucura que é a coisa toda, que inclusive ganhou uma conversão para SNES alguns anos depois.

O game também marca a estreia do compositor Yasuhisa “Yack.” Watanabe, que era apenas um aprendiz quando ingressou na Zuntata, da Taito – tanto é que ele apenas compôs os temas, tendo o auxílio do mestre Hisayoshi “OGR “Ogura para o arranjo das faixas no chip de som YM2610, do Arcade. Anos depois, o músico conquistaria vários fãs com trilhas espetaculares de jogos como Metal Black, Growl (Rune&Ark), Kaiser Knuckle, Fighter’s Impact, dentre outros. Mas, no caso de Sylvalion, o resultado infelizmente ficou bem cafoninha, tanto é que o próprio Yack., em uma entrevista mais ou menos recente, declarou que se sentia um pouco envergonhado em ouvir este que é um dos seus primeiros trabalhos.

Reparem no baixo bem “pra cima” e alegre. Definitivamente não combina muito com um jogo de tiro espacial, parecendo mais um game para crianças. E o resto da trilha é assim, intercalando coisas bem “felizes” com melodias espaciais muito bonitas, o que torna a música de Sylvalion tão inconsistente quanto o jogo em geral.

3 – A série Cruisin’ (Arcade/Nintendo 64)

Sabe, a trilha sonora do jogo para Arcade/Nintendo 64 Cruisin’ USA me faz pensar às vezes no porquê de não termos muitas pessoas exaltando os anos 90. Claro, com porcarias como essa…

O conceito dos jogos da série era de reunir elementos extravagantes de uma corrida (como carros que capotam e caem exatamente de pé) com locações exóticas e mulheres sensuais. E claro, uma música brega. E, com uma abertura dessas, você acharia que o jogo não traria mais surpresas, certo? Então espere só até ouvir os samples de uma mulher fazendo sons… Meio orgásmicos.

Pode-se dizer que as sequências Cruisin ‘World e Exotica melhoraram um pouco no sentido de parecer mais cabível em um jogo de corrida, mas ainda assim não abandonaram totalmente a breguice. Um exemplo está na música inicial do segundo jogo da série, onde temos um Euro Dance de fazer inveja à toda a trilha de Sonic R (que, aliás, deveria ter um espacinho na lista, não acham?)

2 – 1942 (NES)

Esta é uma conversão de um arcade da Capcom (um dos primeiros sucessos da empresa, aliás), cuja música possuía uma peculiaridade interessante de tentar reproduzir os tons de SOS através do código Morse. Era estranho, e facilmente entediava, mas ainda assim parecia algo aceitável. Porém, quando convertido para o NES, a música toda se tornou uma completa diarreia, transformando-na em uma das coisas mais irritantes de ouvir. É pura dor auditiva! Acompanhe o vídeo do Gameplay e diga por quanto tempo aguentou ouvir:

Assim como no caso de G-Loc, ninguém deu nome ao boi responsável pela conversão. Provavelmente o cara foi parar na produção de Pokemon… Quem entendeu levanta a mão!

1 – Battle (Easy), de Phantasy Star III

É, amigos. Phantasy Star III, a ovelha negra da série, é conhecido por ter um dos temas mais bonitos de todos os tempos. Mas também é lembrada por algumas músicas que causam uma péssima impressão ao jogo, o que faz do trabalho de Izuho Takeuchi bastante inconsistente.

A faixa mais marcante no mau sentido, com certeza, é a que toca durante a maior parte das batalhas durante o jogo. É uma das coisas mais horrorosas já ouvidas em um RPG.

Se você nunca jogou e está ouvindo isso pela primeira vez, provavelmente imaginou uma criança pulando, uma GIF engraçada na internet, cachorros mordendo ursinhos de pelúcia, enfim, qualquer coisa menos uma maldita batalha. O agravante disso tudo é que essa música toca sempre quando o jogador está ganhando a batalha, ou seja, dado o número de confrontos que ocorrem no jogo e no fato de que, para se terminar, deve ganhar a maior parte delas, podemos dizer que essa é a composição mais ouvida no game inteiro! O que é algo enlouquecedor.

E digamos que o design dos inimigos não ajude muito a melhorar as coisas…

Jornalista de games, editor de vídeo e estudante de Audiovisual, escreve atualmente para a Revista OLD! Gamer. Além dos joguinhos, também dá pitacos sobre cinema, TV e tecnologia; sempre acreditando que a ironia é a melhor forma de sinceridade. Ouve Game Music e trilhas sonoras de filmes durante a maior parte do tempo, mas jura que é uma pessoa legal. Seguista, badernista e exorcista.

Twitter YouTube 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categories: game music
  1. 28, setembro, 2011 em 00:50 | #1

    Muito bom! Trazer à tona essas pérolas da game music da velha guarda preencheu a lacuna deixada pela abandonada série “Músicas excepcionais para jogos horrendos”.

    Várias coisas a serem comentadas, incrivelmente de todas as selecionadas.

    5 – Bisonhamente nunca tinha me dado ao trabalho de ouvir a original da “Air Battle” do G-Loc, apesar de também gostar do arranjo da S.S.T. Band. É decepcionante de fato, comparando com as obras-primas do After Burner, só não achei tão intragável assim. Mas que não combina, não combina mesmo com tiroteios aéreos.

    4 – Boa descoberta. Não sei se concorda: embora a música seja chatinha, não dá para dizer que a composição tem muito cara de Zuntata? Não consigo definir em palavras, mas se ouvisse sem saber o jogo acharia que era da Taito. Um detalhe, talvez você já saiba, é que a trilha da versão de SNES é do pouco conhecido Katsunari Kitajima e do Hayato Matsuo, famoso pelos arranjos orquestrados em álbuns em concertos, e com supervisão do mestre/maestro Koichi Sugiyama!

    3 – Conhecia somente a primeira. Ouvi naquele top de dez piores músicas de games do VGChartz. As demais, meu amigo, impagáveis!

    2 – Nãooooooo! Como esqueci essa diarreia (hahahahaha!)? Quando você me pediu sugestões, fugiu da minha mente completamente por este jogo. Digo isso porque eu joguei em um cartucho múltiplo no Top Game naqueles tempos idos. Não só as músicas. Os efeitos sonoros desagradáveis são de arrepiar a espinha.

    1 – Manjo nada de Phantasy Star, e interessante saber que nem sempre a série teve trilhas impecáveis. Ou pelo menos quando o Bo não estava envolvido.

  2. 28, setembro, 2011 em 09:37 | #2

    "Trazer à tona essas pérolas da game music da velha guarda preencheu a lacuna deixada pela abandonada série 'Músicas excepcionais para jogos horrendos'"

    Só toma cuidado pra não morder a língua depois de um comentário venenoso desses 😛

    Vou aproveitar as outras sugestões para, quem sabe, fazer uma "Parte 2" do post. Gostei de escrever esse negócio.

    5 – QUEEEEON… QUÁ RA RA QUÁ QUÁ QUEEEOOON… QUÁ QUÁ QUÁ QUÁ QUEEEON… O arranjo da SST Band, no caso, contempla esta BGM A aí e a Landing, que é um pouquinho mais legal (dentro do limite da trilha sonora do jogo). Aliás, essa é uma música que achei tão ruim que acabei gostando dela por um tempo, inclusive foi a abertura do 1º Podcast do PS. Mas tipo, não tem nada a ver com nada.

  3. 28, setembro, 2011 em 09:37 | #3

    4 – Eu tinha ideia que a conversão para SNES contava com outros nomes que não os da Zuntata na trilha, mas não que fossem essas ilustres figuras! Agora, a Zuntata realmente tem uma sonoridade meio "presepeira" e anticlimatica em relação a seus jogos, fazendo com que se sobressaiam como uma coisa única, sabe? Mas no caso do Sylvalion não percebi isso: Os arranges do tema principal são muito bons, mas as versões originais ficaram muito datadas, muitos sons repetitivos também e tal…

    1 – E é uma pena que essa música quase estraga o jogo inteiro. Aliás, se procurar por reviews do game por aí, muita gente cita essa música quando vai falar do som.

  4. kurtrizzo
    28, setembro, 2011 em 11:20 | #4

    OOOH AH! OOH! YEAAAAH!

  5. 28, setembro, 2011 em 11:54 | #5

    Uau, uma seleção de game music "cheesy", você se superou agora! Muito bem sacado. Excelente introdução, onde você destaca a influência que os movimentos das diversas mídias de uma determinada época influenciam os compositores de trilhas sonoras de jogos.

    Fazendo um esforço pra complementar, diria que em G-Loc a música é exatamente o que não deveria: é extremamente genérica. Seria o equivalente ao gênero (argh, desculpem envolver isso aqui mas é só pra provar um ponto) chamado de "pagode": existe uma sequência de 4 acordes que formam (literalmente, sem exageros) 99% das músicas. Dá pra dizer que existe uma sequência de acordes que formaria a "game music genérica de tela de seleção de fase", seriam os dois acordes da música de G-Loc que você cita. Como você bem pontuou, ela é amelódica – inaceitável para padrão de qualidade da boa game music. E não, não pode ser de Hiro. NÃO PODE. OMG… nooooo… 😛

    A do Sylvalion, posso dizer o seguinte: me imaginei em frente ao sintetizador e ao sequencer, incubido de compor uma game music. Só que não havia nenhuma inspiração e eu estava preguiçoso demais para transpirar (aquele papo de 99% de transpiração e 1% de inspiração é a mais pura verdade). Então, o compositor cuspiu a mais famosa sequência de 3 acordes "radicais" da história da música (pros músicos de plantão: qualquer sequência de 3 acordes ascendentes, seperados por um tom, onde os dois primeiros são maiores e o último menor). O que fedeu mesmo foi a melodia: essa mostra que os 1% de inspiração ele havia deixado no bolso da calça que foi para a lavanderia. Essa, pra mim, foi disparadamente a pior música (talvez não a mais cafona, mas a mais boring, rs) da seleção que você fez, o que ficou perfeito no post. Ah, a música da primeira fase de Arrow Flash, um shmup de Mega, é também deslocada como essa, no sentido de ser muito upbeat para o jogo, lembrei dela imediatamente quando falou no clima infantil que a do Sylvalion passa.

    "…no porquê de não termos muitas pessoas exaltando os anos 90". Síntese melhor não há para as músicas que listou do Cruisin' USA., destaque para a segunda "house special" que chupou sem o menor estilo a dance music do início dos 90's, usando samples de bateria acústica. E não dá pra comentar a "trilha" do 1942 do NES. Ah: o/

    Já no Phantasy Star III… ehehehehe, achava a idéia de ter 3 músicas na batalha algo bem criativo. Por nostalgia, até gosto da que você citou como "uma das mais horrorosas músicas de RPG". Ainda assim, reforço que a música em si é interessante: o dueto que leva a melodia ficou num timbre FM bem suave no FM, e o baixo oitavado meio "louquinho" sempre achei divertido nessa música. A melhor é realmente a de quando você está perdendo. Acho que, inclusive, foi a que mais me marcou (o tema de estar perdendo). Significa que não devo ter jogado muito bem PSIII e talvez tenha passado a maior parte do tempo ouvindo essa, não sei como consegui terminá-lo, rs…

    PS: Meu amigo Alexei precisa jogar uns Phantasy Star pra ver o que é trilha sonora de RPG, hein, não leve esse exemplo em conta! 😀 Brincadeira, mas é uma pena descobrir que vc não conhece a série, nem sua trilha. Inclusive, a melhor trilha sonora de um jogo para Master System é do Phantasy Star original, quando penso no arco de todas as músicas. São distintas e formam uma trilha convincente, como a de um bom álbum de rock, sabe? Como sempre, o console da SEGA não teve alcance como o da Nintendo, portanto tal fato ficou no limbo e não se vê orquestras executando suas músicas por aí, sad.

    • 28, setembro, 2011 em 12:37 | #6

      E mais uma vez vem Eric Fraga com sua orientação musical clássica para nos humilhar diante de tamanho conhecimento. Rapaz, fiquei surpreso quanto a você ter odiado tanto Sylvalion assim – e engraçado que, quando tinha te mandado um Arrange do tema principal há tempos atrás, você havia adorado (ou pelo menos disse isso, rs). Pra você ter uma ideia de como a trilha é bem descompassada. A música do chefe da primeira fase então é um horror… Aí junta aquele dragão tosco, um chefe desenhado sob efeito de dorgas, e o que a gente tem é pura tosqueira.

      Quanto ao PS III… Eu simplesmente adorava a que tocava quando os inimigos apareciam. Tipo, era um loop simples, mas aquele rock sintético, que já imaginava várias baterias eletrônicas em volta… Aí quando começa a luta… WTF. Não vejo nada demais nas outras músicas de batalha (a "normal" e a "lose), mas vale lembrar que eu fiquei com trauma da música do chefe final, do Dark Force… Não sei porquê, ela me arrepia até hoje. Acho que foram os timbres usados.

      • 29, setembro, 2011 em 00:48 | #7

        Falando em sugestões, lembrei uma que não comentei com você de um compositor bigodudo altamente famoso… depois te mando.

        Cosmonal, o seu comentário foi bastante esclarecedor, porque como compositor/arranjador você pôde desconstruir as músicas e explicar, em sua estrutura, o porquê de as faixas serem tão ruins. Valeu mesmo pela explicação!

        Sobre Phantasy Star, os jogos eu jamais joguei de fato, o que não tem muita justificativa, já que poderia fazer isso em uma coletânea de PSP, mas, apesar disso, eu conheço algumas músicas da série por indicação sua (por ocasião dos arranjos que você fez) e do Gagá. Só que quando o Rafael me passou essa do PSIII eu não tinha ouvido mesmo.

        Em relação às orquestras, já fugindo um pouco do tema do post, há um tempo esbarrei nesse vídeo. Porém, em vez de a orquestra tocar um arranjo do jogo, foi uma composição original… eu acho. E eu não sei o que isso tem a ver com Phantasy Star. Alguma homenagem, talvez?

        • 29, setembro, 2011 em 09:27 | #8

          Eu ouvi um pouco e não consegui identificar nenhum tema ali nessa orquestração… Vai ver é tudo original do cara que fez mesmo.

          Aliás, essa do compositor bigodudo eu acho que você me mandou… É uma que tem um beatbox sampleado? heh

        • 29, setembro, 2011 em 22:27 | #9

          Interessante mesmo a música que você linkou, parece homenagear/usar como inspiração Phantasy Star, como você falou. Senti umas notinhas que pareciam o motivo da abertura de PSII… mas pode ser apenas coincidência. Abração ao mestre Alexei!

      • 29, setembro, 2011 em 09:21 | #10

        Caramba, então o arrange da do Sylvalion deve ser como a arrange do G-Loc que você mencionou gostar muito, rs. Não lembro agora mas certamente devia estar bem realizada, provavelmente com arranjos interessantes, etc. A original é que realmente ficou sem sal. O velho papo batido de que na limitação de timbres típica da era, o composer precisava acertar a mão mesmo, não podia ser sempre aquela sequência de acordes e mais nada, rs

        Ah, verdade a música de entrada da batalha é fabulosa, dava mesmo impressão de power chord de guitarra! A lose acho assustadoramente linda. Aquela música de Dark Force do III é dark sem dar trégua, arrepia aqui também (fui escutar de novo aqui e, putz, muito bem lembrada, valeu).

  6. 28, setembro, 2011 em 12:10 | #11

    Eu queria parebenizar e dizer ao autor da matéria "belas escolhas" mas, infelizmente, as músicas são tão ruins (o primeiro lugar para PS III é mais do que merecido) que apenas posso aconselhá-lo a depois de tanto excercício de paciência procurar um otorrinolaringo pq provavelmente sua audição foi seriamente prejudicada, hehe. Acho que nada ficou de fora nessa "seleção". E o que será que esses caras tinham na cabeça quando compuseram essas músicas?

  7. kurtrizzo
    28, setembro, 2011 em 18:23 | #13

    Só pra criar uma discussão:
    Achei q a do Cruisin USA me lembra muito Crash Bandicoot, pelo menos o começo. A semelhança acaba nos OOOH AH OOOH YEAH!

  8. 28, setembro, 2011 em 18:28 | #14

    5-Essa música é tosca. o.o

    4-Sei lá… Essa não me pareceu tão fora do contexto dos shmups… …Bem, eu TENHO ouvido muito Cho Ren Sha recentemente…

    1-Música legalzinha, mas acho ela mal acabada de tão curta. Essa bateria de helicóptero também não ajuda. Deveriam ter feito outras músicas de triunfo para diminuir a repetitividade.

  9. 28, setembro, 2011 em 22:05 | #16

    Caramba, como eu odiava essa musiquinha das batalhas de Phantasy Star III !

    Essa musiquinha do item 4 do soundcloud até tem um potencial… com um trampinho do Cosmonal dá pra salvar! hahahaha

  10. 28, setembro, 2011 em 22:54 | #17

    Junte-se ao clube dos que odeiam a música do Phantasy Star, amigo! Lembro que tinha uns dois amigos que jogava o PS III também na época, e a gente ficava sacaneando aquela música nas conversas…

  11. isaac-sky
    29, setembro, 2011 em 18:52 | #19

    Poxa cara, aquela segunda música da série Cruisin, tirando a mulher com os sons meio "extravagantes" (eufemismo é uma coisa linda kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk), a música até que é legalzinha kkk xD

    Acho que numa época tão diferente da atual, onde o cenário gamer e até mesmo o cenário músical era bem diferente; até relevo essas trilhas sonoras mais ruins kkk

    Excelente post ^^ Agore poste mais Game Music de jogos mais atuais (porque eu sou velho mas nem tanto kkk)

    • 29, setembro, 2011 em 22:44 | #20

      Mas aí que tá pô, os gritinhos que estragaram a coisa toda, não tem como! rs

      Agora, eu disse lá em cima que pretendo um dia fazer uma Parte 2 do post, e acho que ia ser uma boa usar exemplos mais contemporâneos. Tem um desses que tá latejando na minha cabeça agora, que vai estrelar esse negócio que vai gerar polêmica!

  12. 29, setembro, 2011 em 22:28 | #21

    Ah, vem cá, essa foto do início do post… são momentos antes da famosa explosão de um certo filme de Cronnenberg com nome de dispostivo capturador de imagens?

    • 29, setembro, 2011 em 22:37 | #22

      Não não, eu tirei disso aqui

    • kurtrizzo
      30, setembro, 2011 em 20:56 | #23

      Agora que você falou parece mesmo hahaha não manjo pra falar que é, mas mesmo o vídeo do agente parece coisa do Cronnenberg…

  13. 29, setembro, 2011 em 23:27 | #24

    Cara, essa história dos cachorros mordendo ursinhos de pelúcia ao som de Phantasy Star III foi muito comédia, ri muito aqui rsrsrsrs

    Excelente post, e realmente essas músicas são muito cafonas. O Syvallion é um jogo que eu curti bastante no SNES, mas de fato é um jogo muito estranho.

  14. Giulian Steel
    1, outubro, 2011 em 22:55 | #26

    Nossa, a trilha dos Cruisin' não sai da minha cabeça desde a primeira vez que eu joguei
    Tem um amigo meu que adora a série e ele fica puto quando eu comento sobre as musicas hahaha!

  15. Talude
    3, outubro, 2011 em 00:16 | #28

    A última música do Cruis'n'USA eu gostei, até pq eu gosto da trilha do Sonic R.
    Existe música no 1942? Hahahaha
    A do G-Loc eu ouvi tanto na versão do Mega que me acostumei.

  16. 4, outubro, 2011 em 07:06 | #29

    Nossa, só bomba mesmo. E o baixo "pra cima" que você descreveu realmente é de lascar! Mas essa aí do 1942 bateu todas… gente, pelo amor de Deus, ninguém testou esse jogo antes de lançar? Ou os caras testaram no mute?

    Quanto à música de batalha do Phantasy Star III

    "Ainda assim, reforço que a música em si é interessante"

    Valeu a tentativa, Cosmonal, mas essa aí não dá não, é muito ruim 😛

    Eu adoro essa trilha, pra mim é o PS com as melhores músicas, mas não só acho essa música uma bela porcaria como acho que deveriam ter dado um tiro no cara que teve a ideia de ficar trocando as músicas de combate (aliás, acho todas as de combate horríveis no jogo). E a música da vitória? Breve, mas barulhenta e de fazer sangrar os ouvidos!

    Em meio a tantas "pérolas" da game music, só gostaria de fazer uma menção honrosa à música da tela de opções do Sonic Spinball. É uma das coisas mais horrorosas de todos os tempos, e quem estiver com a TV alta quando jogar vai tomar um susto dos infernos:

    Numa boa, os caras fizeram isso de sacanagem, não fizeram não?

    • 4, outubro, 2011 em 09:28 | #30

      Rapaz, te juro que Sonic Spinball quaaaase entra na lista. Lembro que, quando aluguei esse cartucho, levei um susto horrível, é ear rape total. Até porque geralmente a primeira coisa que faço é entrar na tela de opções… A minha dedução é que isso foi feito por um estagiário em cima da hora, depois que o diretor disse "coloca uma música nessa p…" às 2 da madrugada.

      Agora, o Phantasy Star… Realmente a ideia de trocar as músicas de combat não deu certo, ficou uma coisa bem equizofrênica. E o pior é que você dificilmente ouve as músicas por inteiro no jogo, porque elas ficam se trocando, parece um verdadeiro suingue musical!

      Pelo menos eu gostava da música de início de batalha… Sei lá, era tipo uma coisa "sou moderno"

    • 4, outubro, 2011 em 17:20 | #31

      Eheheheh, confesso que forcei um pouco a barra nessa! 😛 Mas olha, a "Normal" até dava um bom remix, essa (e a "Losing") gosto mesmo, mas pode ser que a nostalgia pela época em que jogava o PSIII esteja "enevoando meu julgamento" 😛 Unânime é o final da luta, que você citou, aquela sequência de sons metálicos sem graça, nauseante.

      Saindo de PSIII, lembrei de outra que meus irmãos mais velhos gritaram "ou abaixa o volume ou desliga o videogame": http://youtu.be/m5km5NNAk3E?t=59s Chase HQ 2 do Mega, jogão, mas a trilha só não é pior porque o volume do motor do carro é alto demais. Detalhe: essa música linkada é excêntrica, cheia de dissonâncias. Ótimo momento o compositor escolheu pra ser diferente, numa trilha sonora de console de 16-bit com um barulho ensurdecedor de carro rolando ao fundo 😛

      • 5, outubro, 2011 em 22:13 | #32

        Nossa, eu odiava o som do Chase HQ 2 de Mega também… Um dia vou tentar ver os créditos pra ver quem foi o irresponsável da Zuntata por esse negócio.

        Aliás, a trilha do primeirão Chase HQ, de arcade, é fantástica…

    • kurtrizzo
      5, outubro, 2011 em 19:33 | #33

      Eu devo ser o único babaca que ama a trilha do Sonic Spinball. :S

  17. Talude
    4, outubro, 2011 em 22:14 | #34

    O SoundCloud ao menos aqui, parece estar fora do ar.

  18. Guilherme
    8, outubro, 2011 em 15:58 | #36

    Pô, a trilha sonora do Sonic R pra mim é uma das mais fodas.

  19. 9, outubro, 2011 em 01:26 | #38

    SÉRIO que aqueles sons causadores de traumatismo auditivo do 1942 não eram defeitos daquele cart que eu tenho aqui em casa e sim a "MÚSICA" do game!?!? o.0

    Putz, até ler esse post achava que era algum problema do meu game que gerava… aquilo. Sério.

    Cara, ri muito com a sinfonia de patos do G-Loc e os sons toscos da série Cruisin'.

    A música de batalha citada de PSIII me lembrou aqueles estágios de parque de diversão, cheio de luzes piscando e com temáticas alegres, nada a ver com um RPG (música de batalha tem que ser tensa, caramba!). PS.: o inimigo à esquerda da imagem veio diretamente do estágio 2 do Altered Beast ou o quê? Sim, aquele que gruda na cabeça, muito parecido!

    Não lembro muito das músicas do Sonic Spinball, mas o game tem uma música bem legal que eu me lembre – a da fase "Lava Power House ":

    • 9, outubro, 2011 em 07:45 | #39

      Bem observado, parece mesmo. Eu quando joguei o PSIII reparei em diversas semelhanças com outros jogos da Sega… A interface dos menus (pelo menos a cor de fundo) me lembrou bastante Super Hang On, os inimigos tem um traço parecido com o de outros jogos, e por aí vai…

  20. Lucas Cantino
    18, março, 2015 em 11:39 | #40

    ah sei la la a do curins usa parece aquelas musicas de caipiras americanos , misturado com eletronicos

  1. Nenhum trackback ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
%d blogueiros gostam disto: