Arquivo

Arquivo da Categoria ‘variedades’

O primeiro comercial do Sonic


Recentemente meu irmão me passou o vídeo abaixo que traz o primeiro comercial do Sonic the Hedgehog que possui algumas curiosidades bem interessantes as quais listo abaixo:

 

Leia mais…

Categories: artigos, curiosidades

O quê Resident Evil 3 e Hellraiser têm em comum?

Quem jogou Resident Evil 3 passou por maus bocados fugindo do Nemesis. A criatura, engedrada pela Umbrella com o único propósito de aniquilar todos os membros da S.T.A.R.S., perseguia a protagonista Jill Valentine durante todo o jogo, rendendo vários sustos e momentos de tensão aos mais afoitos. Não é a toa que a versão americana tem o subtítulo com o mesmo nome da ameaça; afinal de contas, se não fosse por ele, RE 3 seria bem menos interessante.

Mas interessante mesmo seria essa possível inspiração que rolou na criação do personagem: Nemesis se parece muitíssimo com o Chatterer, um dos Cenobites do clássico de terror Hellraiser – Renascido do Inferno, lançado em 1987 e que marcou a estreia de Clive Barker como diretor de um longa-metragem.

Eis uma imagem do maior pesadelo da Jill: Leia mais…

Categories: curiosidades

Os personagens de Street Fighter I: Por onde andam?

Tá certo que o primeiro Street Fighter não fez lá muito sucesso, ainda que teve muitas versões lançadas na época (Arcade, Commodore 64 tanto europeia como americana, ZX Spectrum, Amstrad CPC, PC Engine CD, Atari ST, Amiga e DOS), isso levou a Capcom a abandonar o gênero por cinco anos. Mesmo assim, muitos dos personagens voltaram, principalmente na série Zero/Alpha.

 

Leia mais…

Categories: artigos, curiosidades

R360 G-LOC: O simulador de combate aéreo definitivo da Sega

Na época de ouro dos Arcades, os frequentadores não pagavam apenas para jogar games mais avançados tecnicamente do que os encontrados em casa; havia ali a presença de diversas máquinas prometendo novas experiências e aventuras, ao custo de alguns poucos centavos. No pioneirismo desse laboratório encontrava-se a Sega, que, desde Space Harrier e seus controles analógicos passando por Outrun e o conceito do force feedback no volante, procurava sempre imergir os jogadores através de novas e criativas formas com os seus games que utilizavam tecnologia avançada. O ápice disso pode ser representado na cabine R360, lançada em 1991, e que se tornou conhecida por um dos poucos arcades que causavam medo e pânico aos que se aventuravam nela. Quer saber por quê? Então abaixe a barra de segurança, coloque o cinto, levante o nivelador, e caso se sinta mal, lembre-se do botão de emergência!

Leia mais…

Categories: artigos, curiosidades

Os muitos Friendships de Stryker

O Friendship de Stryker sofre modificações conforme o console e a versão que ele aparece. O básico é ele apitar e segurar uma placa de “Pare” tal qual um guarda de trânsito estadunidense. Mas curiosamente em cada versão há uma alteração, veja mais a seguir:

 

 

Leia mais…

Categories: curiosidades

Os 5 métodos mais inusitados para combater a pirataria nos games

DRMs, distribuição digital, serviços de autenticação online: as distribuidoras de jogos estão criando cada vez mais novas barreiras para bloquear qualquer tentativa de cópia não autorizada – ou, como alguns preferem chamar, pirataria. As coisas estão ficando cada vez mais insanas, a ponto de a Ubisoft requerer conexão constante à Internet para jogar seus games; ou seja, caso sua conexão caísse ou os servidores de autenticação da empresa parassem de funcionar (o que aconteceu), o jogo deixaria de funcionar. A atitude foi desfeita pela empresa no início desse ano, mas só mostra o quão ela está disposta em controlar ao máximo seus direitos sobre determinada obra – assim como os direitos de quem comprou o jogo…

Essa nova abordagem está se tornando ainda mais discutível, graças à insatisfação dos consumidores devido aos abusos praticados pelas distribuidoras. No entanto, antes (e também depois) da Internet, havia diversas formas no mínimo inusitadas para não só combater a pirataria, como também para dar uma bela de uma sacaneada em quem havia adquirido uma cópia de forma não convencional. Em alguns jogos, a coisa se torna sádica e vergonhosa, como você verá a seguir.

Leia mais…

Categories: artigos, curiosidades

Os piratas argentinos para Mega Drive

Volto a falar de um assunto que gosto demais: os piratas, hacks e assim por conseguinte. Na América do Sul houve produção de jogos tanto de forma legal quanto ilegal de games durante o período dos 16 bits tanto no Brasil, quanto na Argentina e no Peru. Na Argentina há de se considerar três jogos que foram emulados: dois hacks, um de futebol e um de corrida e um original, de truco! A propósito, antes que alguém comente, é possível que a origem do futebol argentino, brasileiro de SNES sejam peruanas, com a narração bizarra feita lá. Topdos os jogos citados aqui foram vendidos na Argentina e em outros países da América do Sul.

Leia mais…

Censura na abertura de Street Fighter II Special Champion Edition do Mega Drive

Isso não é algo novo, tanto é que sempre é citado nos fóruns e outros posts da vida relacionados a Street Fighter II e as conversões polêmicas para os consoles. Inclusive, se não me engano, foi citado na Old Gamer Nº 1, na extensa matéria sobre o game. No entanto, para quem não conhece ainda a história, há uma diferença na abertura da conversão de Street Fighter II Special Champion Edition para o 16-bit da Sega. Na abertura original de arcade, se analisarmos a cena da forma, er, social, um afro-descendente apanha de um caucasiano, o que foi mantido na versão japonesa do game para o Mega Drive.

Leia mais…

Categories: curiosidades

A publicidade nos games e os advergames

Há muito tempo as empresas descobriram que os jogos podem ser uma ótima forma de divulgar o seu produto, desde os anos 80. Recentemente vêm surgindo jogos com propagandas e, além disso, jogos que convocam o jogador a participar de instituições como o exército americano. A propaganda pode ser explícita na qual pode estar no nome do jogo, inclusive.

Leia mais…

Mais incrível ainda: Depois de CrazyBus, fizeram o CrazySonic!

Você já viu aqui no Passagem Secreta o jogo que rebaixou os degraus que definem a mediocridade e estuprou sua audição de forma jamais ouvida antes no Mega Drive (Menu de Sonic Spinball, estou apontando para você!). Já acompanhou também o campeonato insano feito com o jogo, em um encontro onde, parafraseando a brilhante Marina Person, “um bando de marmanjos se trancam numa casa para jogar games que a moçada de hoje nem conhece”. Agora, para dar continuidade a esta saga incrível, o Hyper Emerson, do site parceiro The Twosday Code, fez uma versão Sonic do jogo, unindo a emoção do original à adrenalina presente nos jogos do ouriço de uma forma jamais vista!

.

Leia mais…

Categories: artigos, curiosidades

Vox Populi: Qual desses jogos do Sonic é seu favorito?


É sabido que, no mês de Junho, o azulão da Sega comemora 20 anos de existência, o que reacenderá as discussões nostálgicas sobre o quão eram legais os jogos de Mega até sua transição controversa para o 3D, e consequentemente sua derrocada junto à empresa que o concebeu.

É claro que, dentre todos os jogos da fase de ouro do personagem, os mais lembrados são os que pertencem à série principal, ou seja, do Sonic The Hedgehog de 1991 até o Sonic&Knuckles, incluindo aí as conversões e jogos originais (nem tão bons assim) para o Master System e Game Gear. Mas existem por aí os jogos “marginais”, ou seja, aqueles games que tentaram uma abordagem diferente do jogo de plataforma tradicional, e que geram até hoje certa controvérsia entre os fãs. Leia mais…

Categories: curiosidades, humor

Programa de TV mostra como é dirigir bêbado em… Cruisin’ USA

Se você é um gamer, provavelmente possui um senso crítico mínimo e sabe que a TV pode ser, em alguns vários momentos, bastante imbecil e diarréica. O que muitos desconhecem, porém, é que a TV americana parece ser mais retardante ainda: em um programa de auditório, o assunto em questão era referente aos males que a bebida traz e como ela pode alterar os sentidos de quem dirige um carro sob os efeitos do álcool. Para demonstrar tal argumento, a produção do programa teve uma boa ideia: colocar pessoas bêbadas de frente a um “simulador”, e ver como o motorista pinguço lida com a direção.

O problema é que o “simulador” em questão é uma máquina de Arcade de Cruisin’ USA, um jogo que conhecemos bem como não ser exatamente a experiência mais realística de direção – e também por conter uma das músicas mais pornográficas e cafonas da década. Mas eles foram em frente, e é claro que é tudo tão ensaiado que chega a ser ridículo. Veja por quê:

Leia mais…