Página Inicial > especiais, Maratona Game Movies > Maratona Game Movies – Final Fantasy, por Orakio “Gagá” Rob

Maratona Game Movies – Final Fantasy, por Orakio “Gagá” Rob

Para o leitor incrédulo em nosso potencial para assistir e avaliar coisa ruim, sim, estamos de volta com mais uma resenha da Maratona Game Movies do Passagem Secreta!!! Após o grande hiato desde a última análise (de Wing Commander) foi difícil entrar em um acordo de quem deveria assistir e avaliar um dos filmes mais tediosos de todos os tempos. E eis então que o ilustríssimo Mister Gagá (que, caso você cometa o absurdo de desconhecê-lo, é O Senhor da Bobosfera Retrogamer) decide querer dar uma de trouxa se oferecer de forma heróica para assistir o filme, e ainda escrever um texto para a gente! É com grande honra então que trazemos as impressões do Gagá sobre esse filme que quebrou paradigmas, sendo a primeira superprodução a estrear na TV com exibição direta na Sessão da Tarde, ou seja, sem nem passar pela Tela Quente!

Final Fantasy: The Spirits Within

 

 

 

 

 

Quando vi que a turma aqui do Passagem Secreta tinha tido essa ideia louca de fazer uma maratona com filmes de videogame, achei que após o segundo ou terceiro filme todos já estariam espumando pela boca e expelindo massa encefálica pelos ouvidos. Parece que isso ainda não aconteceu, mas como prezo pela saúde dos meus amigos, decidi sair lá do meu blog e dar uma forcinha aqui para eles.

É, eu comprei a edição especial. Foi cara pra diabo.

A participação é movida também por uma feliz (?) coincidência: em 2001 eu comprei o DVD edição especial do filme Final Fantasy: The Spirits Within. Assisti uma vez, emprestei para um amigo e ele perdeu o DVD. No mês passado, DEZ ANOS DEPOIS, ele encontrou o DVD na casa dele e me deu de presente de aniversário. Fucking weird, isn’t it?

Juntei a fome com a vontade de vomitar: revi o filme e pedi ao Agente 00¹ e ao administrador do blog um espacinho aqui no blog para falar sobre ele. O Rafa tentou esconder o misto de alívio e prazer semiorgasmático que sentiu ao perceber que poderia estar se livrando de mais uma bomba cinematográfica, e poucos dias depois forçou o melhor que pôde um tom desinteressado e pouco empolgado para dizer que eu poderia, sim, fazer isso, ele ia me quebrar esse galho. Então vamos nessa!

WTF is this movie?

Resumindo para você que sabe pouco sobre o filme do Final Fantasy: ele passou quatro anos sendo produzido, consumiu uma verdadeira fortuna da Square e só retornou metade do investimento, um fiasco total. Foi lançado nos cinemas em 2001 e o diretor é Hironobu “Bigodón” Sakaguchi (o sujeito que produzia os jogos bons da série Final Fantasy, lembram desses tempos?). A trama é sci-fi: em 2065, uma invasão alienígena está dando trabalho para os terráqueos. A Terra está em frangalhos, e Dr. Sid e sua pupila, a cientista Aki Ross, decidem coletar oito espíritos sagrados para salvar a humanZZZZZZZZ…

Com um visú desses, quem precisa de um bom roteiro?

Eu gosto tanto de Final Fantasy quanto a maioria dos leitores do Passagem Secreta, mas cá pra nós, tava na cara que o filme não ia se destacar pelo roteiro. O grande bafafá na época foi causado pelo fato de todos os “atores” serem digitais, modelos criados em computador e animados com base no infame motion capture. Ao contrário dos personagens caricatos comuns hoje em dia nos filmes da Pixar, a Square tentou recriar “gente de verdade”, gente como a gente. Tipo, não que eu me pareça com o Ben Affleck como o capitão Grey Edwards parece, e a minha esposa é uma gata mas não é exatamente a cara da MingnaWen como a Aki Ross é, mas vocês entenderam a ideia. Em muitas mídias, rolou até aquele papo futurista de que logo todos os atores estariam desempregados, porque a tecnologia poderia substituí-los, rs… o próprio Sakaguchi tinha planos de fazer de Aki uma atriz virtual, que atuaria em outros filmes.

Pois vamos começar falando disso aí. Os atores digitais enganam a gente? Bem… enganar não enganam não, dá para notar fácil que é computador. Agora, que o negócio ficou bem feito pra caramba, ah, isso ficou. A qualidade do trabalho varia bastante de personagem para personagem, indo do parece-um-robô-quando-fala (como Neil Fleming, que para complicar tem o pior script de todo o “elenco”) ao holy-shit-como-fizeram-esse-careca (o Dr. Sid, disparado a coisa mais impressionante do filme inteiro).

O Dr. Sid não pega ninguém, mas ele é fácil, fácil a coisa mais linda do filme

Vejam bem… até hoje, dez anos depois do lançamento do filme, os modelos de atores usados continuam sendo ridiculamente impressionantes. Mas isso não muda o fato de que, ao assistir o filme, você vai ter a sensação de estar vendo bonecos atuando. Cada vez que Aki abre a boca, você delira com o movimento dos cabelos dela, mas nota que o rosto não tem aquela elasticidade humana. Mas vamos dar um crédito para os caras, todo mundo já deve ter lido em algum lugar que quando a gente pisca o olho pelo menos uns 2.353.166 músculos se movimentam no nosso rosto.

O maior problema é que o filme está o tempo inteiro tentando impressionar a gente com a tecnologia, falta sutileza. A sequência inicial, com Aki sozinha e cercada por alienígenas na escura Nova York de 2065, é tranquilamente a melhor parte do filme, só que há uma preocupação excessiva em nos deixar babando com os efeitos de iluminação. A moça vai iluminando o caminho com uma luzinha que tem na cabeça, e toda vez que ela vira a cabeça vai aquele feixe de luz… aí aparecem os amigos dela, com luzinhas na cabeça, e você nota que neguinho tá forçando a barra para a gente dizer “oh, vejam que belos efeitos de iluminação”.

Caramba, gente, da próxima vez tragam logo uma lanterna bem grande e pronto!

Aliás, isso é neurose no filme inteiro, escuríssimo na maior parte do tempo, para que as luzes brilhem. Quase todas as cenas parecem ter sido pensadas única e exclusivamente para a turma da iluminação se mostrar. O DVD tem uma faixa de comentários do co-diretor com outros integrantes da equipe, e os caras só falam em iluminação, ninguém menciona que um ângulo de câmera foi escolhido para passar um sentimento específico, ou que os cenários de uma determinada cena foram compostos de tal maneira para passar uma ideia, por exemplo; não, a miseenscène toda aponta para a iluminação. Sejamos francos, o trabalho de iluminação é mesmo fabuloso.  O diretor é que não fez o dever de casa dele, e deveria ter cortado os excessos, já que iluminação é importante, mas ela tem que ser parte o filme, e não a razão de ser dele.

Quando aquela sequência inicial cheia de tecnologia e ação termina, e você está levando fé de que o filme vai prestar, começa a aparecer o lado videogame da coisa. Um cara é contaminado, e para salvá-lo a Dra. Aki tem que segurar um controle cilíndrico para disparar contra o alienígena que invadiu o corpo de seu amigo. Ela fica lá, mexendo com aquele acessório de wiimote, e tem até uma contagem regressiva (!) para a gente saber que o cara tá quase morrendo, gente… já imaginaram isso? Dr. House lá, tratando do paciente enfartando, e surge uma contagem regressiva e uma voz robótica, “Dr. House, temos treze segundos e meio para salvar o paciente!” Não dá para dizer que isso é cinema, isso aí é videogame e ponto final.

Aki Ross “operando” o coleguinha infectado

Depois começam a pintar aqueles roteiros japoneses manjados… lembram do lance do lifestream no Final Fantasy VII? A trama do filme é uma variação disso, aquela chatice sobre o espírito da Terra, e os espíritos dos seres vivos retornando para o planeta… eu gosto muito do Final Fantasy VII, e no jogo esse roteiro até funcionou, mas no filme eu esperava uma coisinha mais elaborada e menos clichê.

O fato é que, se você não estiver vendo o filme por causa do visual, vai ficar MUITO entediado lá pela metade. As cenas de ação são muito manjadas, aquela coisa de mocinha-cai-mocinho-leva-ela-nos-braços, ou personagem-bacana-morre-todos-ficam-comovidos… não é que a ação seja ruim, muito menos do ponto visual da coisa (os alienígenas são legais pra chuchu), só que a coisa não engata, o “timing” não é bom. Faltou um diretor “de verdade” com vivência nessas coisas.

Uma bitoquinha antes do fim

O filme tem três momentos que eu suponho que deveriam ser críticos e surpreendentes (spoilers à vista): no primeiro, a gente descobre que a Aki está infectada por um dos alienígenas, mas sobrevive graças a um treco lá que o Dr. Sid fez. É o manjado truque de fazer um personagem que atue como “ponte” entre os dois lados da história, o humano e o alienígena. Truque velho pra caramba… saca aquele lance de Jesus Cristo de ser humano e divino ao mesmo tempo?

No segundo momento, a gente descobre que os alienígenas na verdade já estão mortos, são espíritos que explodiram o próprio planeta com guerras. E essa revelação tem o impacto de um girino movendo a cauda no Rio Nilo. O terceiro é a morte do piadista do grupo, mas esse talvez seja o único momento em que o telespectador se empolga, dando graças a Deus pela morte do infeliz.

Depois disso tudo aí, um canhão espacial abre uma cratera no planeta, a Aki entra na cratera com o namorado dela e, em vez de sermos presenteados com uma cena de sexo selvagem entre dois modelos poligonais amplamente texturizados, somos obrigados a aturar uma longa e entediante sequência final que se arrasta por intermináveis vinte minutos até que algo esquisito aconteça e tudo acabe bem. Depois disso uma águia voa, a sua esposa reclama porque você a fez perder duas horas assistindo a esse negócio e é o fim.

Devo assistir a esse treco?

O lance é o seguinte: se o filme do Final Fantasy fosse filmado com atores de verdade, ninguém ia curtir muito. Você nota que há um problema quando a coisa mais legal do filme é o rosto enrugado de um velho careca e barbudo (eu já falei, o Dr. Sid ficou dez!). Não chega a ser um martírio, o filme não é um desastre, mas a verdade é que a única graça que ele tem está na parte visual. Os “atores”, os alienígenas, os efeitos especiais… é isso que é muito bacana no filme, e nesse sentido, eu acho que todo mundo deveria assistir ao filme. Se você trabalha com efeitos especiais, então, é melhor assistir logo de fralda (e de preferência sozinho).

O saco, Gray! Chuta o saco dele!

Infelizmente, o filme em si é como uma daquelas CGs enoooooormes que aparecem às vezes no meio do nosso RPG favorito, bem na hora em que a gente tem que salvar o jogo para sair, sabem como é? CG é legal, mas quando é muito longa torra o saco. E o filme de Final Fantasy é isso aí mesmo: uma loooooooooooonga CG. A mais perfeita e sensacional que você já viu na sua vida, mas ainda assim longa demais. Ainda bem que o Sakaguchi voltou a fazer videogames depois dessa.

¹Nota do Editor: “Agente 00” é o cacete! É “00Agent”!!

Jornalista de games, editor de vídeo e estudante de Audiovisual, escreve atualmente para a Revista OLD! Gamer. Além dos joguinhos, também dá pitacos sobre cinema, TV e tecnologia; sempre acreditando que a ironia é a melhor forma de sinceridade. Ouve Game Music e trilhas sonoras de filmes durante a maior parte do tempo, mas jura que é uma pessoa legal. Seguista, badernista e exorcista.

Twitter YouTube 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  1. 19, maio, 2011 em 21:33 | #1

    Pela primeira vez temos um autor convidado! Que venham mais! (Depois eu leio)

  2. 19, maio, 2011 em 22:11 | #2

    Eu tenho alergia a esse filme. Sério. Minha memória é excelente, mas aparentemente eu achei esse treco tão ruim, mas tão ruim, que deletei todas as informações sobre ele. Não consigo lembrar nada além de alguns detalhes da história e do quanto eu achei ruim. Nem lembro se eu assisti até o final!

    Gagá, deixa eu ver se entendi. Seu amigo te deu de presente de aniversário um dvd dessa bomba que você mesmo comprou e emprestou pra ele dez anos atrás???? WTF. Ele é seu amigo mesmo????? =P

  3. Fox
    19, maio, 2011 em 22:55 | #3

    LOL Gagá absurdamente masoquista.

    Esse filme não é tão ruim assim. Tem um roteirinho decentinho (ah vá), gráficos incríveis, trilha sonora medíocre e diálogos… Bem. Eu sempre fui daqueles que sempre defendiam a seguinte tese: FF Spirits Whtin teria dado mais certo se não tivesse o nome "Final fantasy" nele. Porque de Final Fantasy ele não tem absolutamente nada… Oh wait! Apenas a idéia chupada do LifeStream de FF7 o cientista se chamar Cid (todo FF tem um cientista Cid ok), e na camisa do Dr. Cid ter um símbolo (embasado) de um Chocobo. Esse último é easter-egg dos brabos.

    Bem apesar do filme ser sonolento e ter sido um fiasco em bilheteria… Ele foi um dos maiores divisores de água da empresa. 1 – Pela evolução tecnológica suberb. Gráficos lindos visto de FFX para frente se deve a criança, ovelha negra da familia citada nesse post. Lightning não seria nada sem a Dra. Aki. (Sad but True)

    E 2: Foi a derrocada desse filme que decretou o alerta vermelho na empresa japonesa e o seu segundo risco de falência. Que foi suprimida com a união com sua rival Enix… Bem daí não preciso dizer mais nada (Prevejo mais gente chiando pelo porque desse filme existir btw).

    E vamo combiná… Gagá esse seu amigo é da onça mesmo hein!

  4. 20, maio, 2011 em 06:09 | #4

    Em um primeiro momento eu fiquei chateado quando esse amigo me afanou o DVD. Depois comecei a achar que tinha sido um gesto nobre da parte dele (quando eu era moleque, ele era aquele amigo que sempre me avisava quando eu ia entrar em uma fria). Agora que ele devolveu o DVD eu não sei mais o que pensar da nossa amizade, fiquei confuso 😛

    @Fox

    Pois é, certamente não é tão ruim quanto o filme do Wing Commander, e ao menos tem o lance dos gráficos bacanas. Mas se fosse live action ia ser um horror.

  5. 20, maio, 2011 em 07:18 | #5

    FF:TSW é para o CG o que Avatar é para o 3D. Chato, cheio de efeitos manjados, mas muito bem realizados. Que venham mais reviews!

  6. 20, maio, 2011 em 08:05 | #6

    @Kurt

    Só que a diferença é que a bilheteria do Avatar foi até às nuvens, e a do Final Fantasy… Bem…

  7. 20, maio, 2011 em 09:33 | #7

    Eu nunca vi esse filme e nunca quis assisti-lo (final fantasy sem moogles e sem chocobo pra mim não é final fantasy). Depois de um tempo fiquei curioso por que o Steve Buscemi fez uma das vozes. Daí chego aqui e me deparo com o Rob descascando o filme (alguem já viu o Gagá falar mal de alguma coisa ruim?)… Bem, quer dizer que esse filme foi quase o "Shen-Mue" da Square? Oh loko meu… Se pelo menos a sega tivesse um Enix pra abraçar hein…rs Qual vai ser o proximo filme?

  8. 20, maio, 2011 em 09:40 | #8

    @maximuscesar

    "Alguem já viu o Gagá falar mal de alguma coisa ruim?"

    E olha que nesse filme eu acho que ele pegou bem leve também!

  9. 20, maio, 2011 em 10:27 | #9

    <blockquote cite="#commentbody-3351">

    maximuscesar :

    alguem já viu o Gagá falar mal de alguma coisa ruim?

    @Rafael Fernandes

    Eu já falei que vocês têm síndrome de Angry Videogame Nerd! Rs…

    E eu repito: o Cybergame é legalzinho, Eternal Champions é um jogo bacana e Zelda II dá um caldão! ^_^

  10. 20, maio, 2011 em 11:15 | #10

    O Gagá quase me faz acreditar nas coisas.

  11. 20, maio, 2011 em 12:10 | #11

    Quando você comenta que o filme enfatiza os efeitos de iluminação o tempo inteiro, que usa o negócio da luz como gimmick… me veio a mente o equivalente live-action (me referindo a este aspecto da luz somente) Star Trek, o filme de 2009. Tem tanto "lens flare" (aqueles brilhinhos legais na lente da câmera) nesse filme que o diretor precisou dar explicações: http://io9.com/5230278/jj-abrams-admits-star-trek

    Baixei esse filme a um tempão mas nunca assisti, ia ver só pelo fato de ser CG mesmo, baseado em franquia de VG… pô, eu gosto de Doom (o filme), devo gostar desse negócio daí também 🙂 mas como nunca joguei Final Fantasy… (que venham pedras, rs).

    E Orakio, com relação à Ming-na Wen… observa o nome do marido dela… 😉

  12. 20, maio, 2011 em 12:17 | #12

    @Kurt

    Pô, maldade comparar Avatar com esse Final Fantasy aí… 🙂 acho que a semelhança começa e termina no fato de ambos usarem computador pra gerar imagens 🙂

    O primeiro efeito de computador num longa-metragem, se não me engano, foi aquela cena final de Indiana Jones e a Última Cruzada. Ali, naquela época, foi chocante por si só – tipicamente seria algo em stop-motion, e ficou incrível por computação gráfica, sem aquele "baixo framerate" do stop-motion. Depois daí, Jurassic Park foi lindo, Matrix acrescentou movimento de câmera… e, peraí, Avatar fez bom uso do 3D finalmente – pelo menos é o que acho. Vi a sessão somente em 3D, num bom cinema, e esqueci que "estava em 3D"… o que pra mim foi um sinal de que ele (o efeito) só ajudou. Em outros filmes 3D que vi (todos, aliás) era uma distração o tempo todo.

  13. 20, maio, 2011 em 12:48 | #13

    @Cosmonal

    Só para acrescentar, filho, o CGI está por aí no cinema há mais tempo do que isso, desde os anos 60, aliás! Aliás, não lembra do Tron, de 82?

    http://en.wikipedia.org/wiki/Timeline_of_computer

  14. 20, maio, 2011 em 12:54 | #14

    @Rafael Fernandes

    O Cosmonal bebeu, não deixem ele dirigir!

  15. 20, maio, 2011 em 12:55 | #15

    Eu assisti esse filme no cinema com alguns amigos… filas enormes cheias de jogadores fominhas… e tivemos que sair fazendo força pra dizer que o filme foi legalzinho.

  16. 20, maio, 2011 em 14:28 | #16

    @Rafael Fernandes

    Claro que não foi o primeiro uso do computador no cinema – não quis dizer isso não, mas admito que não ficou claro, my bad 🙁

    Quis dizer que foi a primera vez que a imagem de computador foi misturada à película – e foi mesmo no Last Crusade. Lembrava disso de uma matéria do tempo que colecionei a finada SET (finada? Nem sei…). Quando Donovan bebe água de um falso cálice, ele envelhece e morre em segundos – essa é a cena.

    "The effect of Donovan's rapid aging and explosion into ash was dubbed "Donovan's Destruction" by the ILM staff and marked a technological breakthrough in effects work as the first shot completely computer composited and then scanned to film." http://indianajones.wikia.com/wiki/Walter_Donovan

    No link que você citou ele também é creditado como o primeiro efeito a mesclar CG numa imagem filmada ("Digital compositing") e por fim soltando o output na película.

    Mas, como eu disse, não especifiquei… 😛 mas foi isso que quis dizer, não quis me referir aos efeitos de computação que "saltavam mais aos olhos" como em Tron e sim citei uns três "achievements" clássicos do uso da computação no cinema pra considerar Avatar também um deles, era essa a idéia, e não um gimmick (como o próprio Tron foi) 🙂

  17. 20, maio, 2011 em 14:29 | #17

    @Orakio “O Gagá” Rob

    Mas eu tenho habilitação pô! 😛

  18. 20, maio, 2011 em 14:32 | #18

    @Rafael Fernandes

    Ah, só um remark: eu adoro Tron! Por isso tenho uma queda por um jogo de Atari chamado de Beamrider, só por causa do grid 3D similar ao visual do Tron. Como não sei desenhar nada, as únicas coisas que desenhava em meus cadernos da escola quando estava entediado, era: um cubo 3D e grids, vários grids 3D…… (verdade!)

  19. 20, maio, 2011 em 17:13 | #19

    @Cosmonal

    Agora melhorou! Viu só o que acontece quando a gente escreve as coisas direitinho?

  20. 20, maio, 2011 em 18:25 | #20

    <blockquote cite="#commentbody-3353">

    Orakio “O Gagá” Rob :

    <blockquote cite="#commentbody-3351">

    maximuscesar :

    alguem já viu o Gagá falar mal de alguma coisa ruim?

    @Rafael Fernandes

    Eu já falei que vocês têm síndrome de Angry Videogame Nerd! Rs…

    E eu repito: o Cybergame é legalzinho, Eternal Champions é um jogo bacana e Zelda II dá um caldão! ^_^

    Hahahahaha

    Aguardo o comentário do Gagá sobre o Crazy Bus.

    Eu não aguentei ver o filme quando ele passou na Globo, aliás, na época o pessoal esperava uma fantasia medieval-futurista e não uma ficção científica futurista, que tivesse mais elementos de Final Fantasy como os chocobos e o dr. Cid (e não Sid).

    Um dia, quem sabe, eu veja.

  21. 20, maio, 2011 em 18:49 | #21

    Eu assisti Avatar em 2D. Não posso afirmar nada quanto aos efeitos, só pelo que me falam foi espetacular. Mas o Avatar usa SIM o 3D como gimmick, não tiro isso da cabeça. Todo o marketing foi em cima disso, não tem como falar que não era gimmick.

    O FF aí também foi o mesmo esquema. O 3D tbm esta por aí a anos. O tio do avatar foi lá e fez melhor que todo mundo, como eu acredito que o FF fez. Eu lembro de ver os trailer do FF e falar "CACETE VIDEOGAME NO CINEMA". Mas nos dois a história é ruim.

    E tá tudo no link que o Rafael colocou mais pra cima! ^^

  22. 20, maio, 2011 em 20:23 | #22

    @Kurt

    @Cosmonal

    Aliás, falando em CGIs, eu lembro que acredito que a primeira vez que conheci a tecnologia foi na abertura de 1994 do Fantástico, que alardeavam como "the next big thing", a "segunda vinda", enfim, aquelas coisas que a Globo adora glamourizar quando gasta muito dinheiro em inovações. Essa abertura não durou muito, justamente porque parece mais um tech demo do Nintendo 64. E eu tinha medo dessas mulheres aí (aliás, tinha medo da abertura anterior também) XD



  23. 20, maio, 2011 em 22:07 | #23

    @Rafael Fernandes

    Tudo graças ao acordo Globo-Time Life, essa segunda injetou muita tecnologia na Globo.

  24. 21, maio, 2011 em 06:34 | #24

    @Rafael Fernandes

    Eu também tinha medo da abertura antiga do Fantástico!

    @Cosmonal

    Ah, assim sim!

  25. 21, maio, 2011 em 08:55 | #25

    @Kurt

    Eu devo ser fanático demais pelo James Cameron, deve ser isso 😉

  26. 21, maio, 2011 em 09:27 | #26

    @Cosmonal

    Você chorou quando o Jack morreu congelado?

  27. 21, maio, 2011 em 09:37 | #27

    <blockquote cite="#commentbody-3382">

    Rafael Fernandes :

    @Cosmonal

    Você chorou quando o Jack morreu congelado?

    Cara, eu fui ver Titanic com duas garotas (sem propaganda enganosa aqui: não peguei nenhuma) e lá pelo final do filme uma delas começou a chorar copiosamente, de soluçar mesmo. Foi a situação mais constrangedora que eu já passei em um cinema, se a gente não contar a vez em que eu já burro velho fui assistir aos Cavaleiros do Zodíaco e me encolhi na cadeira enquanto as crianças batiam palmas e cantavam a música-tema.

  28. 21, maio, 2011 em 09:58 | #28

    @Orakio “O Gagá” Rob

    Vai ver ela chorou porque já havia se passado mais de duas horas e meia de filme e você ainda não a tinha pegado

  29. 21, maio, 2011 em 10:52 | #29

    @Rafael Fernandes

    Se eu tivesse pegado a moça logo no início do filme, ela provavelmente teria chorado bem mais rápido ^_^

  30. 21, maio, 2011 em 12:47 | #30

    @Orakio “O Gagá” Rob

    Olha, eu não chorei, rs, mas aconteceu o seguinte: alguém na minha sessão, quando Jack ficou congelado, gritou: "Aê, o cara virou picolé". Mas ele não gritou tão alto, sabe, só pra galera dele ouvir. Mas tava um silêncio danado naquela hora do filme né, a mulherada toda consternada no cinema… que todo mundo acabou ouvindo e foi gargalhada geral até o congelado descer pro fundo do mar.

    Como eu gosto (muito) do estilo do James Cameron, gosto de Titanic, não posso evitar ^_^

  31. 21, maio, 2011 em 12:57 | #31

    @Orakio “O Gagá” Rob

    uhauhauha

    Imbatível essa do Cavaleiros do Zodíaco, meu máximo foi ter ido com um colega da faculdade assistir Lilo & Stitch, numa sessão onde SÓ tinha criança, e a gente esperava uma coisa 'meio Pixar' do filme né… Mas esse era "infantil demais", rs… a gurizada toda triste quando levaram o alienígena (Stitch, acho)…. putz….

  32. 21, maio, 2011 em 14:07 | #32

    @Orakio “O Gagá” Rob

    @Cosmonal

    Eu passei por um momento desses ao assistir Shrek 3… Era eu e mais dois colegas, sendo que um deles dava uma risada gigantesca, daqueles escândalos que só de ouvir a gente ri junto. Aí foi uma mistura da gargalhada do cara com a de um monte de criança… E aposto que várias delas ficaram assustadas com aquilo!

  33. 24, maio, 2011 em 11:14 | #33

    Final Fantasy é um filme que até hoje me arrependo de ter visto. Sério. Aluguei esperando lutas com espadas, alguma coisa de magia e tudo o mais… E vi uma Ficção científica chatabagarai, mas com bons efeitinhos.

    Claro que a Square se redimiu com o Advent Children.

    E claro que o velho Sid é a coisa mais linda (ARGH!) que apareceu no filme.

    E até hoje eu espero uma continuação dessa bosta, pois eu nunca entendi a porra do final.

    Mas… Tudo bem.

  34. 24, maio, 2011 em 14:53 | #34

    MOMENTO TROLL (mas eu acredito nisso): Advent Children só tem mais ação, pq na real é ficção cientifica no mesmo esquema desse, só com personagens que vc conhece.

    Se tivessem feito esse filme com o Squall e a Rinoa, aposto que teria sido diferente.

  35. Daniel Gomes
    25, maio, 2011 em 07:40 | #35

    O filme, de um todo, não é ruim, mas é que quando ele começa, parece que o mesmo começou pela metade. Eles poderiam ter adotado um roteiro mais simples e mais interessante, com cortes mais profundos e terem ido direto ao ponto.

    Algo como um roteiro básico de Breath of Fire, que é quase sempre a mesma coisa, mas sempre funcionou nos 4 primeiros da série.

  36. Pedro
    29, maio, 2011 em 10:00 | #36

    Esse concerteza é o filme mais impressionantemente chato do mundo, é o tipo de filme que fiquei alucinado quando faziam propaganda mas quando paguei para ver não aguentei e cai no mais profundo sono, isso ai é pior que filme porno antigo (no começo é só historia dialogos, dialogos e muito mais dialogos e mais historia em um roteiro que não lhe convence em nada e vc se ve obrigado a acelerar o filme para as partes de ação para ver se a coisa é boa)

  37. 31, maio, 2011 em 09:27 | #37

    <blockquote cite="#commentbody-3439">

    Pedro :

    isso ai é pior que filme porno antigo (no começo é só historia dialogos, dialogos e muito mais dialogos e mais historia em um roteiro que não lhe convence em nada e vc se ve obrigado a acelerar o filme para as partes de ação para ver se a coisa é boa)

    Cara, você resumiu o filme tão bem agora que todo o meu texto aí em cima ficou parecendo longo, chato e desnecessário ^_^

  38. 31, maio, 2011 em 12:48 | #38

    Cara, eu acho que sou a única pessoa da face da terra que gosta deste filme!

    Não consigo compreender como Avatar fez praticamente A MESMA COISA, DO MESMO JEITO e explodiu, sendo que FFSW foi feito com MUITO MENOS TECNOLOGIA E DINHEIRO!

  39. 31, maio, 2011 em 12:49 | #39

    Só me resta acreditar que foi incompetência do Diretor.

  40. 31, maio, 2011 em 14:05 | #40

    @Darkus

    Áe, alguém concorda comigo que Avatar não é tudo isso!

  41. 11, setembro, 2011 em 17:11 | #42

    Meio atrasado para postar, mas li a resenha toda, ficou muito bacana, gostei dos detalhes e lembrei bem do que é ou foi esse filme. Realmente é bem dificil de engolir. Não tem nada de Final Fantasy nele. Só o nome.

  42. 10, novembro, 2011 em 20:15 | #43

    Ah eu gostei do filme. Se não tivesse o nome FF e todas as coisas que se espera de um filme da série, todo mundo teria amado.

  1. Nenhum trackback ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
%d blogueiros gostam disto: