Página Inicial > hacks, notícias > Super Pitfall faz 30 anos e ganha remaster de fãs

Super Pitfall faz 30 anos e ganha remaster de fãs

Super Pitfall

Ok. Eu sei que muitos odeiam Super Pitfall e dizem que ele parece uma mistura mal feita de Mario com Pitfall. Outros podem dizer que ele nem de longe faz jus à excelência e importância para a construção do gênero Plataforma de seus antecessores, o que é fato. Mesmo assim, devo dizer que é um jogo que seria facilmente incluído por mim em qualquer lista do tipo “Jogos Que Todo Mundo Odeia Mas Você Gosta”.

Sim, acredite, eu gosto de Super Pitfall. Talvez por ter sido o primeiro game de NES que eu tive a oportunidade de jogar numa época em que eu só conhecia jogos de Atari 2600. Ou, quem sabe, por vir com aquele manual bacana em Português da Gradiente. Ou ainda por me livrar da decepção de meu Phantom System vir com o “incrível” Ghostbusters (sério, eu odeio este jogo!). Enfim, Super Pitfall foi para mim o que Super Mario deve ter sido para muita gente: o jogo que abriu as portas dos amados jogos de plataforma dos 8-Bit.

Super Pitfall remaster

Neste mês de Setembro o game completa 30 anos e uma versão ‘remasterizada’ foi disponibilizada na Internet com gráficos melhorados, novas músicas ou músicas melhoradas (adorava a do balão!) além de algumas mudanças que afetam o gameplay como o fato dos itens não estarem mais invisíveis (quem não ficava pulando exaustivamente à procura deles no jogo?), as warps agora são portas, a tela mostra os itens que você precisa encontrar para progredir no game, alguns bugs foram corrigidos e há pequenas mudanças de level design aqui e ali.

O IPS (patch de modificação de uma rom) do jogo pode ser baixado aqui: Super Pitfall 30th Anniversary Edition ou aqui neste site. Aproveite e confira o tópico de desenvolvimento do remaster, que acaba revelando segredos do jogo original.

O que você achou do jogo? Comente aqui embaixo nos comentários.

Idealizador e criador do Passagem Secreta, vencedor do prêmio Top Blog, cientista da computação, pós-graduado em Educação, professor e, nas horas vagas, gamer.

Facebook Twitter Google+ YouTube Skype 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categories: hacks, notícias
  1. Talude
    8, setembro, 2016 em 22:29 | #1

    Tá aí um jogo que nunca achei ruim, pode até ser confuso, mas não é ruim. Mesmo com a resenha do AVGN sendo bastante popular.
    Tenho vontade de jogar aquela continuação do Pitfall que tem para o Atari 2600 tb.

    • 8, setembro, 2016 em 22:41 | #2

      Eu acho que boa parte das críticas ao jogo vem do fato de ele ter se distanciado das raízes de Pitfall e ter incorporado elementos de Mario (além do próprio rosto dele). Pra mim continua sendo um jogo muito divertido, apesar de desafiante.

  2. J.F. Souza (Yoz)
    8, setembro, 2016 em 22:59 | #3

    Tem certos games que parece que não "chupa" pra si a essência do original, o que não é o caso deste game a qual considero muito charmosinho, só que eu nunca a joguei.

    • 8, setembro, 2016 em 23:14 | #4

      Se formos pensar bem, ele é um quase mundo aberto de plataforma, se é que isso é possível, devido ao mapa grande, aberto, e sem rumo definido dado pelo game (o famoso "se vira!"). Ainda prefiro a versão de NES.

  3. Felipe Silva
    8, setembro, 2016 em 23:15 | #5

    Excelente dica, só conheci esse jogo através do video do AVGN e não me pareceu um jogo ruim, mas como você disse, tinha muitos defeitos que mais serviam para irritar o jogador do que desafiar, talvez os programadores não queriam tornar tudo muito fácil.

    Vou baixar aqui depois para testar ele 😀

    • 8, setembro, 2016 em 23:33 | #6

      Certamente o jogo está bem mais fácil que o de NES, já que uma das maiores dificuldades era encontrar os itens invisíveis espalhados pelo cenário.

  4. Thiago Ramos
    9, setembro, 2016 em 12:38 | #7

    O pessoal fala mal desse jogo, mas eu gastei meu Dynavision com essa fita. Foi um dos primeiros games que conheci no console e me chamou a atenção pelo nome, porque eu gostava muito do Pitfall do Atari, aí pedi emprestado pra um amigo meu que também tinha um Dynavision, mas não gostava do jogo, no fim ele ficou com uma minha fita e eu com a dele. :p

    • 9, setembro, 2016 em 19:42 | #8

      Meu "NES" já foi o Phantom System que vinha com esse jogo. Perdi a conta de quantas vezes zerei ele, mesmo sabendo que era difícil e tal. Aliás, quem não se lembra do truque de vidas com o sapo? 😛

  5. Nesrocks
    11, setembro, 2016 em 11:12 | #9

    "Certamente o jogo está bem mais fácil que o de NES" Só deixando claro que o 30th edition também é "de NES" hehe!

    Faltou deixar claro que o hack tem opção de português e inglês! O jogo está 100% em português!

    Valeu pelo artigo 🙂

    • 11, setembro, 2016 em 20:20 | #10

      Sim, é um hack aplicável via IPS à room de NES, como está escrito no final do texto, nos links. Logicamente eu estava mencionando a versão 'original' de NES.

      Aliás, estes links foram as minhas fontes para a matéria e, pelo menos durante o período de pesquisa, não encontrei referências à opção em Português. Valeu pela informação!

  6. 11, setembro, 2016 em 23:52 | #11

    Eu prefiro o Pitfall clássico.

  7. Shuura
    12, setembro, 2016 em 08:03 | #12

    Nunca joguei nenhum jogo da série Pitfall a não ser o clássico do Atari mesmo. De qualquer modo, esse jogo não parece ser ruim, vou dar uma conferida.

  1. Nenhum trackback ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
%d blogueiros gostam disto: