Página Inicial > Dreamcast, Mega Drive, reviews > Rent a Hero – o RPG pop do Mega Drive

Rent a Hero – o RPG pop do Mega Drive

Uma das coisas mais legais da Sega é que ela financia maluquices. Infelizmente, essa característica é a que a trouxe ao que ela é hoje. Porém, de vários jogos esquisitos que a empresa lançou – e lança – há algumas joias que nunca chegaram ao nosso lado do planeta. É o caso de Rent a Hero. O RPG, lançado para o Mega Drive em 1991, utiliza uma engine aprimorada de Sword of Vermilion para ilustrar as aventuras de Taro Yamada, uma espécie de “herói-por-acidente-e-de-aluguel”.

A apresentação do jogo é toda feita para passar a impressão de ser uma série de TV, com direito a abertura e música-tema. O absurdo da história também contribui para esse clima de tokusatsu. A família de Yamada se mudou para a cidade fictícia de Corja, no Japão, graças ao novo emprego de seu pai. Ele então resolve fazer uma festa em sua casa, a fim de enturmar-se com seus novos vizinhos. Usando uma fantasia de crocodilo, o chefe de família brinca com todos os convidados, e a festinha parece estar indo muito bom. Yamada resolve pedir uma pizza à SECA (uma abreviação para Service Cafe ), mas, quando chega, o entregador acaba dando a ele uma fantasia estranha, e não cobra por ela. Ao vestí-la, Taro, ao tentar brincar com seu pai, acaba arremessando-o longe, percebendo que o uniforme lhe dá poderes sobrehumanos. Assim, ele resolve virar um herói de aluguel, ajudando as pessoas de Corja em troca de grana, que serve se sustentar e comprar novas baterias para seu uniforme.

Com essa trama, o jogo tornou-se um dos pioneiros a trabalhar com o conceito de side-quests, que é o de ajudar outros personagens que tem sua própria agenda sem influenciar diretamente na história principal. E, assim como o SoV, a jogabilidade é bem variada: tem a parte de exploração, com visão de cima; a de luta, com visão lateral, e etc.

Parte inicial do jogo, com a festa na casa de Taro

Para completar, a trilha sonora é composta pelo Hiroshi HIRO Kawaguchi, que, aliado com o Yasuhiro Takagi, já havia feito um excelente trabalho no Vermilion. Aqui, as músicas são mais direcionadas ao J-pop, e várias composições são sensacionais, grudam na cabeça. O uso de samples de voz em algumas músicas denuncia todo aquele clima “anos 90″.

Para o jogo, foi composta uma música-tema, que toca na abertura do game, chamada “Fight Rent-a-Hero!!” . Confira o vídeo do início do jogo (ele corta no final, mas está em ótima qualidade). Mais retrô que isso, impossível.

Alguns anos depois, para a participação de Taro Yamada como personagem selecionável no jogo de luta Fighters Megamix, o já conhecido Takenobu Mitsuyoshi produziu uma versão cantada para o tema. Em 2000, quando o jogo foi relançado para o Dreamcast, a mesma música foi utilizada, com arranjos trocados e agora com o vocal de Hironobu Kageyama, famoso cantor de músicas de anime – como Dragon Ball Z. Ele gravou um vídeo cantando junto com o Mitsuyoshi, com o Hiro na guitarra. Uma loucura

Há ainda outras músicas muito legais, com melodias sensacionais, tirando o máximo do YM2612. Ouça as mais legais:

Red Light Dinner Party

Town Music

Town Music 2

Town Music 3

Tonight I Feel Like Dancing

Como tema de encerramento, há a canção Descendant of Rent-a-Hero, que também teve uma versão cantada no remake para Dreamcast.

Mesmo com essa premissa tão legal, o jogo, infelizmente, nunca foi lançado por aqui. Aparentemente o game deve ter sido visto como “Japonês demais”  aos olhos dos executivos da Sega of America. Porém, não é bem assim. Até a própria artwork do game retrata o herói mais como um personagem dos quadrinhos americanos do que dos mangás. Há diversos elementos americanos no game, e a única coisa concreta que poderia impedir o lançamento do jogo por aqui seria a falta de senso de humor da divisão americana. Afinal de contas, há diversas referências a jogos da Sega, sendo que o próprio personagem possui um computador chamado “Tera-Drive”; o irmão de Taro usa uma blusa cuja estampa está escrito “Vermilion“, etc

Também não muitas informações sobre algum projeto de tradução por fãs. O único que pode ser encontrado na Internet data de 1998, e é apenas uma versão (muito) preliminar, com apenas a primeira parte do jogo traduzida (a da festa na casa do Hero)

Em 2000, a Hitmaker (antiga AM3) produziu um remake, que foi lançado para o Dreamcast, chamado Rent a Hero No. 1. Mais uma vez, o lançamento ficou restrito ao Japão. Três anos depois, esse mesmo game foi relançado, com gráficos melhorados, para o XBox. Dessa vez, havia planos de lançá-lo nos EUA e na Europa, tendo até anúncios referentes à venda do jogo. Mas, na última hora, por uma razão desconhecida, a distribuição foi cancelada. Em 2006, porém, surge na internet uma ISO do jogo que seria lançado, dando aos usuários americanos de XBox o direito de conferir este excelente jogo.

Já a versão para Mega Drive foi lançada para o Virtual Console do Wii – mas, apenas no Japão. É bem improvável que a Sega resolva traduzir esse RPG. Teremos que contar com a boa vontade dos romhackers para curtir esse clássico, infelizmente. Ou então, em um emulador de Xbox que permita jogar a ISO que vazou.

Jornalista de games, editor de vídeo e estudante de Audiovisual, escreve atualmente para a Revista OLD! Gamer. Além dos joguinhos, também dá pitacos sobre cinema, TV e tecnologia; sempre acreditando que a ironia é a melhor forma de sinceridade. Ouve Game Music e trilhas sonoras de filmes durante a maior parte do tempo, mas jura que é uma pessoa legal. Seguista, badernista e exorcista.

Twitter YouTube 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Categories: Dreamcast, Mega Drive, reviews
  1. Eduardo Shiroma
    10, agosto, 2010 em 22:16 | #1

    Está aí um jogo que eu nunca joguei seriamente. Só prossegui por pouquíssimo tempo.

    Com certeza o estilo do jogo, com muitas falas e principalmente por ser em japonês, afastaram o público ocidental. Parece ser um bom jogo!

    E minha nossa! Que vídeo é aquele do Mitsuyoshi e do Kageyama? Hahahaha!
    Só para constar: a música que eles cantam nesse vídeo chama-se "???????????????????" ("Kimi wa hito no tame ni Rent a Hero ni nareru ka", literalmente Pelo bem das pessoas, você pode se tornar um Heroi de Aluguel?).

    E vamos cantar!

    Doko daredemo akogareteru
    Kitto kimi nara naritai hazu sa
    Warumono taosu seigi no mikata
    Kimi demo imasugu h?ro ni nareru (come on!)

    Heibon na hito mo fujimi ni nareru
    Konbatto ?m? s?chaku henshin suru zo

    Ky? mo oshigoto buji kaiketsu shita ga
    Moraeru h?sh? suzume no namida

    Ikinari narikiri h?ro omatase sama deshita!
    Kantan henshin h?ro sokuseki ch?jin renta h?ro!

    "Renta h?ro o chokuyaku sureba, s?p? h?ro de aru. Konbatto ?m? o rentaru suru SECA wa sekai k?fuku o negau yume no haiteku kigy? de aru. Renta h?ro wa, yo no tame hito no tame, ch?jin arubait? toshite hataraku no da."

    Doko no daredemo nayandeiru
    Komatta jiken o kaeterunda
    Warumono taosu minna no mikata
    Itsudemo dokodemo tasukeniikunda kedo

    Kandenchi kirete henshin tokeru
    Isoge! J?den k?kan fukkatsu suru zo

    Ky? mo ashita mo zutto tatakai tsuzuku
    Nenj?muky? muteki no baito

    Nikutai r?d? h?ro otsukaresama deshita!
    Shokuyoku ?sei h?ro gochis?sama deshita!
    Taikan kaikan h?ro omedeta sama deshita!
    Okiraku gokuraku h?ro sokuseki ch?jin renta h?ro!

    Só para ficar mais claro: uma coisa que eu notei é que a música (como em praticamente toda apresentação ao vivo) teve a letra um pouco modificada em comparação a original, ou seja, a letra que eu escrevi acima é a mesma que eles cantaram no vídeo, que é um pouco diferente da original. E não fiz uma transcrição do vídeo, só pus a letra que eles cantaram mesmo.

    • 00Agent
      11, agosto, 2010 em 10:14 | #2

      Rola tradução de algumas partes aí não? hehe

      • Eduardo Shiroma
        12, agosto, 2010 em 13:41 | #3

        Não sou bom nisso, mas posso me aventurar. Aguarde um tempo.

      • Eduardo Shiroma
        17, agosto, 2010 em 13:56 | #4

        Desculpe a demora. Eu prometi, então aí vai:

        Quem é admirado por todos?
        Certamente nesse caso você gostaria de tornar-se um
        Derrote malfeitores, aliado da justiça
        Você pode se tornar um heroi imediatamente (Vamos lá!)

        Uma pessoa comum pode se tornar invulnerável também
        Equipando uma armadura de combate ela se transforma

        O trabalho hoje também foi resolvido com segurança
        A recompensa recebida é insignificante

        Subitamente / tornou-se / heroi! Muito obrigado por esperarem!
        Admirável / transformou-se / heroi! Super-homem instantâneo Rent a Hero!

        "Traduzido literalmente, Rent a Hero é heroi de aluguel. SECA é uma companhia dos sonhos, de alta tecnologia, que aluga armaduras de combate e deseja a prosperidade mundial. Pelo bem do mundo e das pessoas, Rent a Hero trabalha como um super-heroi temporário."

        Quem se preocupa por todos?
        Enfrenta os eventos problemáticos
        Derrote malfeitores, aliado da justiça
        Apesar de tudo, ele vai ajudar em qualquer hora, em qualquer lugar

        Quando a bateria acaba, a transformação termina
        Rápido! Restaure a recarga da bateria

        Hoje também, amanhã também; todo o tempo continuará lutando
        Funcionando todos os dias do ano; trabalho invencível

        Trabalho / físico / heroi! Muito obrigado pelo que foi feito!
        Apetite / vigor / heroi! Muito obrigado pelo banquete!
        Sensação corporal / sentimento prazeiroso / heroi! Meus parabéns?
        Confortável / paraíso / heroi! Super-homem instantâneo Rent a Hero!

        Por favor, notem que sou amador e que esta tradução está sujeita a erros.

        Ah! Caro "Agente 00", notei que você se confundiu ao citar a abreviação de SECA como Service Cafe. Na verdade o correto é Sensational Cafeteria (???????????????), que pode ser visto escrito na imagem da festa do pai de Taro.

        Também notei que eu errei no primeiro verso da música, onde esqueci um no em: "Doko no daredemo akogareteru".

        É isso. Espero que tenha ficado satisfeito. :D

        • 00Agent
          17, agosto, 2010 em 14:29 | #5

          É, dos lugares que eu pesquisei, um falava que era Service Cafe, e outro que era Sensational Cafeteria. Acabei indo pela versão da homenagem, rs

          Obrigado por retificar, tô corrigindo no post agora!

  2. 11, agosto, 2010 em 10:12 | #6

    Cara, como eu demorei de ler este seu post sobre este Rent a Hero. Me bati aqui.

    Que fantástico, pra mim uma revelação super empolgante. Como sabe, sou fã declarado do jogo que "estreiou a engine" que você se refere e saber que este jogo apresenta referências obscuríssimas como o lance da camisa e do Tera-Drive, é a curiosidade do ano pra mim, rs

    Me junto a torcida de almas boas decidam traduzir, de preferência a ROM do Mega mesmo, ou nossa querida SEGA decida lançar isso pro lado de cá.

    "Continuação espiritual" de Sword Of Vermilion? Por essa eu não esperava… eheheheh

    Agora, vou consumir as músicas que você colocou aqui, com ansiedade :-) e volto para comentar.

    Parabéns mesmo pela notícia, Rafael. Às vezes a própria Internet oculta informações e precisamos de bons filtros pra chegar no que interessa :-)

    • 00Agent
      11, agosto, 2010 em 10:20 | #7

      Valeu, cara! Eu não teria descoberto esse jogo se não fosse o lançamento da coletânea Vermilion Vs Rent a Hero, que foi lançada no início do ano passado. A trilha sonora previsivelmente sensacional do Hiro só me fez atiçar a curiosidade por esse game, e a decepção por não ter uma tradução para jogarmos foi algo triste, hehe

  3. 11, agosto, 2010 em 22:11 | #8

    Eu já tive oportunidade de jogar este jogo, mas muito pouco. Gostei dele.

    A Sega era tão legal naquela época que ela mesmo se tornava tema dos seus jogos, ou trazia cameos e referências de si própria em seus games. :)

    Vou conferir com o meu irmão se não há nenhuma novidade em relação à tradução deste game, se houver, trago no futuro para vocês.

    PS.: Boas lembranças da abertura de Dragon Ball Z.

    • 00Agent
      12, agosto, 2010 em 10:38 | #9

      Opa, se já houver alguma mobilização ia ser sensacional! Ainda mais por parte dos brasileiros, que sairiam na frente da galera lá de fora. Conte comigo para revisão de textos, rs!

  4. 13, agosto, 2010 em 22:27 | #11

    Eu cheguei a jogar, mas parei no lugar da foto, ou seja, não joguei nada. Hehehehe

    Adoro Kageyama!

  5. 14, agosto, 2010 em 07:54 | #12

    Cara, eu lí sobre esse jogo (versão Dreamcast) há MUITOS anos numa revista. Eu nem lembrava mais do nome, mas a menção ao herói arremessando sem querer seu pai contra a parede acabou gravada na minha cabeça e eu vivia me perguntando de onde vinha aquilo.
    Então, lhe agradeço por escrever sobre o jogo. O/

  1. Nenhum trackback ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
%d blogueiros gostam disto: