Captain America & The Avengers (Nes, 1991)

O pouco conhecido jogo de super-heróis Marvel do Nes traz uma excelente aventura, com inimigos e heróis clássicos, um enredo com reviravoltas e um desafio cabeludo!

Ficha Técnica
Desenvolvedora:  Data East
Gênero:  Aventura
Temática:  Super-Heróis
Jogadores:  1 (jogo normal) ou 2 (
Battle Mode)


Sabe aquele jogo que quase ninguém conhece, que você nunca anima a jogar, até que algum iluminado te faz a maior propaganda, você resolve tentar e descobre um dos melhores games que já jogou? Captain America and The Avengers para Nes é um desses. O Excelente jogo da Data East para o 8 bits da Nintendo traz gráficos bacanas, referências aos quadrinhos e um desafio daqueles! E pensar que muita gente, mesmo alguns nintendistas ferrenhos, ignora completamente a existência desse jogo.

Na história, o Mandarin, inimigo do Homem de Ferro, capturou dois dos Vingadores, Visão e o próprio Homem de Ferro. Capitão América e Hawkeye (ou Gavião Arqueiro, como quiser), assessorados pela Vespa, saem no encalço do vilão por todo território dos EUA. No caminho, eles acabam se deparando com cidades sitiadas por capangas e alguns outros inimigos dos Vingadores, como Mago, Ultron e Ossos Cruzados, e logo percebem que há muito mais em jogo do que simplesmente a captura dos companheiros, com tudo apontando para um terrível inimigo do Capitão.

 

A batalha através dos EUA

Captain America3

Mapa: as fases são cidades dos EUA

Você pode escolher entre Capitão América e Hawkeye para seguir o jogo. Capitão é melhor em quase tudo: é mais forte, mais resistente, mais rápido, pula mais alto, pode pendurar em alças e correntes, flutuar na água ou aterrissar em espinhos e inimigos usando seu escudo, correr (atingindo inimigos) e nunca perde o escudo. A maior vantagem de Hawkeye é a área de alcance de seu ataque, que cobre a tela toda, atingindo pontos impossíveis para o Capitão. É claro que parece desleal, mas nos quadrinhos o bandeiroso tem muitas habilidades especiais mesmo, devido a um soro especial feito pelo exército que o transformou num super soldado, enquanto Hawkeye é apenas um homem comum com extrema habilidade com o arco e uma mira invejável.

Seguindo pelo mapa, você deve passar por várias cidades dos EUA em busca de seus amigos e de respostas. As fases variam pouco no início, se tornando um pouco mais variadas a partir do primeiro chefe. Algumas fases são únicas, como as de Nova York e do Monte Rushmore (onde as cabeças de presidentes estadunidenses foram trocadas pelas dos 4 Vingadores).

Um dos inimigos que surgem no Red Alert. Uma dica para este: acerte o barril quando ele o erguer (e antes dele o jogar). Depois de 3 vezes, ele vai vir correndo feito uma vaca louca, mas já não sera invulnerável, logo… porrada!

Os “furacões” que aparecem entre uma fase e outra são os Red Alerts, uma espécie de desafio em outra dimensão, onde aparecem tropas de capangas ou um sub-chefe. As fases marcadas em azul são onde estão os chefes e, em geral, tem mais algum desafio no meio da fase, como um sub-chefe ou os soldados que aparecem no Red Alert. Existem dois sub-chefes no jogo, um robô com um campo de força, que arremessa um barril explosivo, e um incendiário de armadura munido de um poderoso lança-chamas. Coincidência ou não, cada um deles é mais fácil de ser vencido com um dos heróis. Enquanto Hawkeye é melhor pra vencer o robô, Capitão detona com mais facilidade o incendiário.

É possível seguir o mapa com os heróis separadamente. Contudo, se um deles permanecer numa fase e o outro vier e também vencer a mesma fase, os caminhos dos dois se fundirão, e onde um for, o outro também vai. A vantagem é que passa a ser possível trocar de personagem a qualquer momento na fase, aproveitando as habilidades e vitalidade de ambos para vencer a etapa.

Se um dos heróis é derrotado, o outro pode salvá-lo, encontrando durante a fase uma espécie de vida extra nas cápsulas de itens que existem no cenário.

Aumentando seus poderes

Atenção às power stones! A cada 100 delas, seus poderes e energia ganham um upgrade.

Seus níveis de poder e resistência, no início, são bem fracos, até mesmo para enfrentar os sub-chefes, de forma que é melhor evitá-los no começo. Seus poderes vão aumentando à medida que você recolhe Power Stones, uns cristais parecidos com diamantes. Em todas as fases existem umas cápsulas no cenário, que abrem ao serem atingidas. Elas contém corações (restauradores de energia), vidas extras (para salvar o companheiro), continues, pontos, Exit Orbs (a chave para sair das fases) e as Power Stones, sendo que as pequenas valem 1 ponto e as grandes, 10 pontos.

Seu personagem ganha novos poderes a cada 100 Power Stones, chegando a seu nível máximo com 400 pedras. Para saber seu nível, basta pausar o jogo e conferir. É preciso ter duas barras azuis para Life e duas para Power para atingir o poder máximo. A cada 100 pedras, os pontos de vida aumentam e o poder dos heróis muda; Hawkeye passa a ter flechas explosivas e o escudo do Capitão vai para frente e para trás com um único arremesso. A resistência aos ataques inimigos também aumenta.

Só o Capitão pode se pendurar nas alças. Evite fases onde haja muitas dessas com o Hawkeye.

Uma dica para aumentar esse poder mais rapidamente é jogar as duas fases iniciais o maior número de vezes possível (Mississipi R. para Hawkeye e Tampa para o Capitão). Cada uma delas contém 35 Power Stones. Ao chegar no final da fase, ao invés concluir a etapa, pause o jogo e escolha RETURN. A fase não finaliza, mas você recebe os itens que recolheu. Dá um pouco de trabalho (é preciso jogar cada fase dessas 12 vezes com cada personagem para atingir o nível máximo de poder), mas vale a pena, pois a cada chefe enfrentado, a força de ataque dos adversários aumenta, de forma que dá bastante trabalho tentar vencer as fases subseqüentes sem incrementar força, resistência e habilidades dos heróis.

Embora o Mandarin seja um chefe bem difícil, atacando junto com os sub-chefes, ele não é o último. Duas fases finais vão abrir após você derrotá-lo, uma só para recolher Power Stones e aumentar seus poderes (acima de Nova York, que você não vai precisar  se seguir a dica anterior) e outra em Houston (naquele quadrinho azul mais abaixo no mapa), onde você será levado a uma base lunar para o confronto final.

A dificuldade fica um pouco insana em alguns chefes e fases, principalmente antes de enfrentar o Mandarin e na fase final, mas mesmo assim é um ótimo jogo, imperdível para quem tem um Nes, na minha avaliação. No mais, ‘bora jogar e Avante, Vingadores!

Predador???

O bom

  • Ação ininterrupta e dinâmica
  • Ótimos gráficos
  • Personagens carismáticos
  • Boa diversão
  • Desafio considerável
  • Opção de Battle Mode: Jogue contra um amigo, podendo usar até mesmo um dos vilões

O Ruim

  • Fases iniciais meio chatas (devido à falta de poder)
  • Desafio repetitivo em algumas fases
  • Dificuldade exagerada em alguns momentos
  • Não ter save nem password. O jogo é grande, pô!
  • O Hawkeye poderia ter mais habilidades
  • As músicas são um pouco repetitivas.

.

Algumas curiosidades sobre Captain America & The Avengers

# Há um cameo incrível nesse jogo. Um dos capangas inimigos é nada mais nada menos que o Predador! A criatura aparece em várias fases, mas especialmente nas que tem rios, onde o bicho fica mergulhado. Ele pode voar e atirar mísseis. Provavelmente, uma homenagem dos programadores ao monstruoso caçador espacial, já interpretado pelo Van Damme em início de carreira.

# Existe um jogo homônimo para Mega Drive e SNes, também da Data East, mas tem pouco a ver com esta versão. O jogo é um beat n’ up e você pode jogar com Capitão América, Hawkeye, Visão e Homem de Ferro, além de outros vingadores aparecerem para te ajudar, como Mercúrio e Vespa.


Avaliação Final

Gráficos: 9/10
Som: 8/10
Músicas: 6/10
Jogabilidade: 9/10
Desafio: 10/10
Geral: 8,5/10

  1. Nesbitt
    16, junho, 2010 em 05:32 | #1

    cara, muito legal! Adorava esse game… só pra adicionar: As versões do Mega e SNES são ports do Arcade, logicamente superiores às mesmas citadas.

    ^^

  2. 00Agent
    16, junho, 2010 em 14:17 | #2

    Boa análise, cara, começou bem! Ainda mais de um jogo de Nintendinho! Por acaso esse seria uma conversão direta do jogo de Arcades, ou é uma adaptação livre?

    • Flavio Master
      17, junho, 2010 em 08:31 | #3

      É uma adaptação ou, melhor ainda, não fossem os personagens esse game não teria nada a ver com o outro. Por sinal, acho muito melhor, pois o beat n' up é meio fraco para um jogo do gênero.

  3. sabatera
    16, junho, 2010 em 20:30 | #4

    rapaz, eu lembro que o jogo de NES existia, mas nunca joguei! Só o de Arcade e o port para Mega drive mesmo, que eram Beat'n Up, diferentemente deste que é plataforma!

    Belo review véi, e boa sorte no Passagem XD

  4. 16, junho, 2010 em 21:57 | #5

    Eu lembro de ter visto este jogo, com um belo destaque dado, numa das primeiras edições da saudosa revista Videogame.

    Por tudo o que li e pela impressão passada por este review, esta versão é muito superior àquele beat'n up para 16 Bit, eita joguinho ruim aquele!

    O amigo Flavio, pra quem não sabe, é o dono da comunidade Master System no Orkut, um especialista neste sistema, portanto. Interessante começar com um review de Nes!

    E ótimo review!

    Ps.: Muito medo do avatar Obama-Zombie! :[]

    • Flavio Master
      17, junho, 2010 em 08:34 | #6

      Obrigado! Embora minha preferência seja pelo Master System, não sou nenhum ista para negar os bons jogos de outras plataformas. Vocês ainda vão me ver muito nessa seção do Passagem Secreta!

      Braaaaiinnsss….

      • Nesbitt
        17, junho, 2010 em 10:26 | #7

        Só como adendo: Foi lançado também ports da versão ARCADE para Game Gear e Game Boy. A única versão que fugiu da regra do Arcade foi a versão do NES, curioso!

  5. 17, junho, 2010 em 09:32 | #8

    Bela Estréia!
    Joguei muito esse jogo no Turbo Game. Ele é ótimo. Um pouco mais complexo que os jogos da época desse gênero. Lembra um pouco GI-JOE. Lembro-me que a música era meio chatinha, mas nada que atrapalhe. Um ótimo jogo que nunca terminei devido a dificuldade. Acho que tentarei novamente assim que possível.

    Arrasa Nem!

  6. 17, junho, 2010 em 23:01 | #9

    Adoro todas as versões desse jogo (mesmo a de Game Gear que é similar a de Arcade, mas ainda diferente). A versão arcade acredito que foi o segundo nessa plataforma que joguei, o de NES tenho que passar das primeiras fases ainda.

  7. 19, junho, 2010 em 16:37 | #10

    Eu não gostei da versão beat´up deste game não… Sinceramente, achei a jogabilidade horrível. Quando comecei a ler seu review, achei que dessa versão q vc tava falando… Mas depois vi que não é XD

    Vou dar uma chance para esse jogo no meu Dingoo

  1. Nenhum trackback ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
%d blogueiros gostam disto: