Space Fantasy Zone

Vocês já viram aqui no blog artigos sobre duas franquias da Sega em sua era de ouro de dos Arcades, que foram Space Harrier e Fantasy Zone. Apesar do grande sucesso de ambas, as sagas foram esquecidas com o tempo, até cair na obscuridade e ser relançada em diversas coletâneas atuais, para os mais variados consoles. Mas, além disso, o que elas têm em comum? Bem, os dois games compartilham do mesmo universo, que é a Fantasy Zone, aonde tudo é colorido de doer os olhos, com monstros bonitinhos que atiram das formas mais inusitadas, e etc. Aparentemente, Harrier e Opa-opa se esbarram por lá de vez em quando.

Na conversão de Fantasy Zone para os computadores da Sharp X68k  havia uma fase bônus em que Opa-opa enfrentava os personagens de Space Harrier. Veja no vídeo:

 

E daí, o pessoal da NEC Avenue teve a ideia: “Porque não mesclarmos os dois universos novamente, mas desta vez sob outra visão? Assim surgiu Space Fantasy Zone.

 

O game coloca Opa-opa sob a perspectiva de Harrier, ou seja, o caminho é pré-determinado, com a câmera por trás do

Opa-opa saindo da garagem para ser Harrier por um dia

personagem, enfrentando a habitual horda de inimigos vindo em sua direção. As fases, inimigos e chefes são tirados do Fantasy Zone original, o que nos faz concluir que, basicamente, o game é uma tentativa de recriá-lo a partir da ideia central de Space Harrier, ou seja, retirando toda a parte explorativa, mas adicionando ação através de um maior grau de dificuldade (já que é mais difícil mirar) e uma maior quantidade de obstáculos para se desviar.

Graficamente, o jogo é ótimo; o PC Engine consegue lidar muito bem com o efeito de escala, tornando os gráficos mais suaves que jogos semelhantes do Mega Drive – como Space Harrier II. O universo colorido de FZ é reproduzido aqui com fidelidade, assim como as fases e os sprites representando os chefes, que são realmente muito bonitos. O mais legal em relação ao design de jogo é que tentaram inserir alguns elementos sutis de anime, o que dá uma certa personalidade ao game. Veja no vídeo lá no final da matéria e confira!

Na jogabilidade, uma mudança crucial:  Opa-opa não morre apenas com um tiro. Uma barra de energia no canto superior esquerdo da tela se encarrega de informar ao jogador quantas vezes ele ainda pode ser atingido antes de receber a tela de Game Over, o que já alivia em muito a dificuldade. Além disso, ao final de cada fase, surge o shop, para comprar diversas armas, power-ups e itens em uma variedade que você nunca verá em nenhum outro jogo da série! Como trocadilho infame, essa loja tem o nome de Weaponald´s (referenciando aquela cadeia de fast-foods que mata de infarto mais do que a AIDS no mundo todo). Essas adições na jogabilidade acabam por tornar o jogo mais fácil, o que acaba afetando o fator replay; ainda mais porque, apesar do jogo ser divertido, possui apenas os nove estágios do Fantasy Zone (sendo que o chefe final é decepcionante). Só para se ter uma ideia, Space Harrier tinha o dobro disso. Bem que a NEC poderia ter sido um pouco mais criativa, né?

E o som é genial. A música principal consiste num mix entre o tema de Space Harrier e Fantasy Zone, realmente incrível.  As outras músicas são arranjos da trilha do Fantasy Zone original: O Boss Theme, o Shop, até o Ya-da-Yo foi rearranjado para essa versão.  E tudo em formato Redbook, ou seja, dá pra ouvir num CD player convencional. Porém, na versão que está disponível para jogo, há pouca variedade de músicas – apenas o tema principal toca durante as fases.

No entanto, o jogo nunca viu a luz do dia, sendo cancelado em cima da hora, com o lançamento já divulgado e toda a produção encerrada. Ao que parece, fizeram o game, mas esqueceram de contar à Sega… Ou algo parecido. Na época, não havia tanta restrição em relação ao uso de franquias exclusivas para os consoles; isso quer dizer que havia conversões de jogos da empresa para os consoles da Nintendo e da NEC (como vimos em artigos anteriores), o que acabou quando a competição entre os videogames ficou mais acirrada. Aparentemente, a Sega desistiu de última hora de permitir o licenciamento de duas franquias famosas. Em meados do início da década de 2000, uma ISO da versão beta vazou na Internet, com o jogo praticamente completo, faltando apenas alguns retoques no som e nos gráficos. A partir dela, muitos fãs puderam experimentar um jogo que tinha muito potencial para ser sucesso. Quem sabe um dia resolvem lançar pela primeira vez para algum Virtual Console, né?

 

 

 

 

  1. 19, abril, 2010 em 20:59 | #1

    "fizeram o jogo e esqueceram de contar a SEGA" hauhaua! É verdade. Creio que já tenha ouvido falar sobre. Valeu a descoberta. Vou dar uma conferida.

  2. 19, abril, 2010 em 21:17 | #2

    Eu diria:

    Passagem Secreta Encontrada!

  3. 19, abril, 2010 em 21:44 | #3

    Cara, era o que faltava para que eu comprasse o PC Engine. Nem acredito que eu vivi esse tempo todo sem saber que existia esse curiosíssimo crossover. O que houve com o Google que nunca me fez esbarrar nessa informação? 🙂

    Grande post, me animei aqui demais 🙂

    • 19, abril, 2010 em 22:06 | #4

      Acho que é mais por falta de divulgação mesmo do que qualquer outra coisa. Essa ISO vazou há mais de 5 anos, e pouca gente deu bola

    • 23, abril, 2010 em 11:59 | #5

      Olha o grande Eric Fraga, criador do "SuperConsole", por aqui!

      Não faz muito tempo que conheci seu blog, o http://cosmiceffect.wordpress.com/ , mas achei absolutamente incrível não só o SuperConsole, mas também a matéria que o mostra. Uma das mais nostálgicas que já tive a oportunidade de ler.

      Abraço!

  4. Adinan
    20, abril, 2010 em 06:18 | #6

    Peguei essa ISO mês passado e curti muito o jogo, me parece completo, poderiam ter lançado assim mesmo. É uma pena que a SEGA desistiu na última hora.

    Mas enfim, quem puder baixe e jogue, esse game é muito legal e a música principal é uma das melhores game musics que eu já ouvi 🙂

  5. 22, abril, 2010 em 11:00 | #7

    Só uma palavra: CEEEEEEGAAAAAAA?!! DX

  6. 22, abril, 2010 em 13:15 | #8

    Como eu havia dito anteriormente, não conheço muito bem estas séries, a não ser por videos e revistas/sites.

    Mas acompanhei todas as três matérias do Rafael e as achei bem reveladoras! Não imaginava que existisse um crossover entre os dois games.

    Como já comentaram, é uma informação bem desconhecida e que até credenciaria esta matéria ter um pé na categoria Segredos. Ficou ótima!

    Só uma dúvida: no meio da matéria há uma parte dizendo:

    "Veja o vídeo:"

    Mas logo a seguir não tem vídeo. Seria o video do final da matéria ou deveria vir um vídeo logo a seguir?

    • 00Agent
      22, abril, 2010 em 15:38 | #9

      Bem, deveria, mas acabei deixando ele lá embaixo. Agora tá corrigido!

  7. 23, abril, 2010 em 22:29 | #10

    Eu já vi um vídeo desse jogo faz uns anos. É mais uma ideia boa que foid esperdiçada.

  8. 24, abril, 2010 em 16:39 | #11

    Como sempre, outro post maneiro seu ^^. Confesso que ainda tenho que ler o(s) outro(s) de Fantasy Zone.

    Não sabia do vazamento da beta na net e muito menos do "mix entre o tema de Space Harrier e Fantasy Zone", com certeza é "realmente incrível". Tenho quase certeza que a parte a partir de 8 segundos do segundo vídeo é uma referência ao Galaxy Force. E dá-lhe mão boba no shop XD.

    • 00Agent
      24, abril, 2010 em 17:58 | #12

      Eu nem havia reparado a tentativa de bulinacão na menina do Weaponald's, boa cara, kkkkkk. Com certeza uma coisa desse tipo seria censurada na versão americana

    • 24, abril, 2010 em 18:14 | #13

      Hehehe, também não havia reparado isso!

      Tinha que ser um game Japonês mesmo.

  1. Nenhum trackback ainda.
Você deve estar autenticado para enviar um coment´rio.
%d blogueiros gostam disto: